Janot consegue arquivar denúncia contra Aécio, por decurso de prazo

Política
Typography

 

As denúncias contra Aécio vieram à tona em meados de 2016, com a delação premiada de Sergio Machado

Do Jornal GGN

O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal, acolheu um pedido de Rodrigo Janot e determinou o arquivamento de denúncia contra Aécio Neves, feita com base nas delações de Sergio Machado, sob a justificativa de que as penas prescreveram.

Fachin assinalou que, "como os fatos ocorreram até 2000 e o prazo de prescrição seria 16 anos pela pena máxima do crime de corrupção passiva, o suposto crime não pode mais ser punido desde 2016".

Leia mais:

Em áudio, Serraglio, ministro da Justiça, chama líder de esquema de "grande chefe"

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

“A paciência com esse governo golpista acabou”, diz Boulos

"Reforma política séria deve ser discutida para além da elite política"

"À época em que os fatos teriam ocorrido, a pena máxima cominada ao delito do art. 317 do Código Penal era de 8 (oito) anos de reclusão, à qual incide o prazo prescricional de 16 (dezesseis) anos, nos termos do art. 109, II, do Código Penal. Considerando que os fatos supostamente teriam ocorrido entre os anos de 1998 e 2000, encontra-se fulminada pela prescrição a pretensão punitiva estatal. Posto isso, determino o arquivamento destes autos", sustentou Fachin.

Pego pela Lava Jato, o ex-diretor da Transpetro e ex-senador Sergio Machado afirmou, em delação premiada, que, em 1998, quando era líder do PSDB no Senado, participou de um plano com Aécio para eleger a maior bancada da Câmara no governo FHC e, assim, garantir que Aécio fosse presidente da Casa.

O plano envolvia o financiamento, via caixa 2, da campanha dos deputados aliados. Aécio teria conseguido repassar de R$ 100 mil a R$ 300 mil a partir de um total de R$ 4 milhões que entraram no caixa da campanha de FHC à presidente, fruto de contas no exterior. Ainda segundo Machado, Aécio ficou com R$ 1 milhão em dinheiro.

A delação de Machado só veio à tona em meados de 2016.

Artigos Relacionados

Entidades pró iniciativa popular devem ir ao STF para derrubar reforma política Entidades pró iniciativa popular devem ir ao STF para derrubar reforma política
OPOSIÇÃO Para representantes da OAB e CNBB e o juiz Marlon Reis, dependendo do que for aprovado v...
Governo ameaça direitos de internautas para favorecer empresas, diz especialista Governo ameaça direitos de internautas para favorecer empresas, diz especialista
POLÍTICA Proposta de Temer visa reformular Comitê Gestor da Internet para permitir entrada...
Laura Carvalho: sem retomada de crescimento ou imposto sobre mais ricos, rombo continua Laura Carvalho: sem retomada de crescimento ou imposto sobre mais ricos, rombo continua
ROMBO DE R$ 159 BILHÕES Para economista, possibilidade de aumentar alíquota de IR no início...

Leia mais
×

×
CORREIO CAROS AMIGOS
powered by moosend