Ações de Moro contra Lula não são compreendidas em Harvard, diz professor

Política
Typography

Segundo John Comaroff, ao vazar áudios, Moro manipulou a lei e criou uma presunção de culpa

Por Jornal GGN

Após trazer artigo nesta semana de dois procuradores da República da força-tarefa de Sérgio Moro, evidenciando a perseguição da Lava Jato a membros do Partido dos Trabalhadores e ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e ser duramente criticada por parcialidade, a Folha de S. Paulo consultou o antropólogo John Comaroff, especialista em lawfare e professor na Universidade de Harvard.
 
Para o especialista, a sequência de abusos cometida pelo juiz federal da Lava Jato ainda está difícil de compreender em Harvard, com "fatos que perturbam a audiência internacional" e, segundo ele, as ações demonstram uma "ânsia em acusá-lo [Lula]". "Eu estou tentando entender o caso. Meus colegas aqui em Harvard não conseguem compreender", afirmou.
 
"Ao vazar conversas privadas, mesmo que envolvam 20 pessoas, se Lula está entre elas, você sabe que é dele que a mídia falará. Isso é 'lawfare'. Você manipula a lei e cria uma presunção de culpa", foi a resposta do professor.
 
Na entrevista ao jornal, o especialista defendeu, ainda, a substituição de Sérgio Moro para que questionamentos sobre a isenção ou não do magistrado nas ações que tramitam contra o ex-presidente possam seguir sem questionamentos ou polêmicas.
 
"Certamente há muitos outros juízes capazes no Brasil. Em princípio, se você quer manter o sistema judicial o mais limpo possível, você não perde a oportunidade de evitar conflito de interesse ou atitudes impróprias", disse.
 
Com vasto conhecimento no uso do sistema legal contra a figura de um inimigo, denegrindo ou deslegitimando a imagem da pessoa investigada disfarçada em mecanismos legais, Comaroff entende que a Lava Jato faz o contrário do que prevê a Constituição: cria a "presunção da culpa" e não a da inocência, como nos é garantida.
 
O professor de Harvard criticou as escutas telefônicas aprovadas pelo juiz do Paraná contra o ex-presidente, envolvendo detentores de foro privilegiado e, ainda, estendendo-se após o período autorizado. Além disso, questionou o grampo feito no escritório da defesa de Lula. Moro justificou a medida ser também investigado o advogado Roberto Teixeira. Para Comaroff, o ato é "muito ilegal no mundo inteiro".
 
"Não se pode fingir que não se esperava que essas medidas contra Lula não teriam impacto. Isso demonstra uma ânsia em acusá-lo. Parece que Lula tem recebido um tratamento diferente nos aspectos legais na operação", disse. "O país possui um sistema legal robusto. Não há necessidade de se violar a lei", completou.
 
Tomando o cuidado para não fazer "julgamento legal sem todos os aspectos esclarecidos" e afirmando que "não tem ideia" se o ex-presidente é culpado ou não, e que para isso seriam necessárias provas, o especialista disse que o que se tem atém agora "é tudo muito incerto". "O ponto levantado pelo juiz Moro é tudo, menos conclusivo pelo que foi relatado até aqui", completou.

Artigos Relacionados

Lava Jato também cobrará Imposto de Renda dos desvios da Petrobras Lava Jato também cobrará Imposto de Renda dos desvios da Petrobras
LAVA JATO A Receita irá cobrar o Imposto de Renda sobre o patrimônio construído com dinheiro de...
Cármen Lúcia homologa delações da Odebrecht: o que isso significa? Cármen Lúcia homologa delações da Odebrecht: o que isso significa?
JUDICIÁRIO Presidenta do STF faz avançar a Operação Lava Jato e atrapalha os planos do...
Moro não fornece dados que poderiam ajudar em investigação sobre trensalão tucano Moro não fornece dados que poderiam ajudar em investigação sobre trensalão tucano
CORRUPÇÃO Segundo informações da colunista Mônica Bergamo, a CGA , órgão estadual que nos ú...

Leia mais

Correio Caros Amigos

 
powered by moosend
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
×
CORREIO CAROS AMIGOS
powered by moosend