Famílias são retiradas de ocupação em São Paulo

Cotidiano
Typography

Desocupação foi feita pela PM, que usou gás lacrimogênio e balas de borracha

Por Rafael Zanvettor
Caros Amigos

Desde a manhã desta segunda-feira (16) a ocupação Jardim da União, no bairro do Itajaí, em São Paulo, sofre com repressão policial. Policiais da Tropa de Choque e da Força Tática usaram bombas de efeito moral, gás lacrimogêneo e balas de borracha para expulsar os moradores do terreno. Dois militantes da Rede Extremo Sul, movimento que organiza a ocupação, foram detidos e levados para o 85º DP, e um outro teve sua câmera confiscada pela PM.

Choque

O militante da Rede, Gustavo Moura, um dos detidos, falou à Caros Amigos logo após sua liberação, e afirmou que a "Tropa de Choque chegou às oito e trinta da manhã com muita violência; nós tentamos fazer um acordo para a remoção de geladeiras e outros pertences dos moradores, mas a polícia começou a responder com balas e bombas, até contra mulheres e idosos. Eles levaram nossos equipamentos de filmagem e não sabemos aonde estão as geladeiras e os fogões dos moradores".

Acordo

PUBLICIDADE

De acordo com os moradores, na última quarta-feira (11), a Secretaria de Habitação havia feito um acordo com os moradores para oferecer uma proposta de moradia às famílias até o fim de semana e intervir caso houvesse ameaça de reintegração de posse. Segundo a Rede, a Prefeitura não apresentou nenhuma proposta e não age para impedir a reintegração.

Gustavo disse ainda que "na semana passada tentamos iniciar um processo de diálogo para a construção de moradias no local, que é imenso, e o terreno é da Prefeitura. Quando a polícia chegou não havia ofício, nem ordem judicial". Procurada pela reportagem, a Secretaria de Habitação informou apenas, por meio da assessoria de imprensa, que o "assunto está concentrado na subprefeitura Capela do Socorro" - a reportagem continua tentando contato na subprefeitura.

MTST

Também nesta segunda-feira, o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) fez uma manifestação em frente à sede da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano, na região central da capital paulista.

Cerca de 400 militantes e moradores da ocupação Faixa de Gaza pediam que a Secretaria incluísse o terreno ocupado no Plano Diretor do Município de São Paulo, como Zona Especial de Interesse Social (Zeis).

Artigos Relacionados

Os Brasis: Rio de Janeiro em estado de guerra Os Brasis: Rio de Janeiro em estado de guerra
CRISE O genocídio de pobres, pretos e moradores das favelas e das periferias. o fim da indú...
Boaventura: elite capitalista age com a arrogância de quem não tem medo Boaventura: elite capitalista age com a arrogância de quem não tem medo
RUMOS DA ESQUERDA Além do sociólogo Boaventura de Sousa Santos, debate no Teatro Oficina que...
PF: Temer recebeu R$ 31,5 milhões em propina por integrar quadrilha do PMDB PF: Temer recebeu R$ 31,5 milhões em propina por integrar quadrilha do PMDB
DENÚNCIA "Temer possuía poder de decisão do PMDB da Câmara para indicar pessoas para cargos...

Leia mais

Correio Caros Amigos

 
powered by moosend
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade