“Defender Lula é defender a democracia brasileira”, diz senador Requião

Política
Typography

 

Peemedebista diz que Lava Jato colabora com "processo de desnacionalização do País"

Por Cristiane Sampaio
Do Brasil de Fato

O julgamento do ex-presidente Lula no próximo dia 24, em Porto Alegre, é um assunto que ultrapassa as fronteiras nacionais e possibilita uma discussão mais ampla sobre o jogo político que envolve a disputa judicial. Para o senador Roberto Requião (MDB-PR), a inclusão da comunidade internacional no debate é fundamental para o Brasil.

Em entrevista ao Brasil de Fato, Requião critica o que considera "desvios da Lava Jato" e defende Lula como a única figura política capaz de estancar o retrocesso vivido atualmente pelo país. Confira os principais trechos da entrevista:

 O senhor lançou recentemente uma campanha internacional por eleições livres e justas em 2018, o que toca diretamente o debate em torno da possível candidatura do Lula. Por que internacionalizar essa luta?

Roberto Requião: Porque o que está em jogo no Brasil é a democracia, e a precarização da democracia brasileira prejudica a democracia no mundo. Nós não estamos tratando apenas da candidatura do Lula e do direito do povo brasileiro de escolher o seu destino econômico, social, político, administrativo e o presidente da República. Estamos tratando da precarização do processo democrático por conta dos interesses e do domínio do capital financeiro no mundo.

Falando sobre a Lava Jato, no início dos trabalhos, o senhor foi um dos parlamentares que fizeram a defesa da operação e hoje é um dos grandes críticos dela. Em que momento a Lava Jato passou a lhe causar desconfiança?

PUBLICIDADE

Vou mudar uma ordem na sua pergunta: eu não sou crítico da Lava Jato; sou crítico dos desvios da Lava Jato e da sistemática direção em determinado foco. Eu não diria a você que a Lava Jato não revelou crimes financeiros que precisavam ser revelados, mas ela passou a se dirigir para setores da política brasileira e do empresariado que defendiam interesses nacionais, e acaba servindo de biombo para todo um processo de desnacionalização do país.

A Lava Jato despende homens, horas, milhões de reais pra saber como é que a Marisa [Marisa Letícia, última esposa de Lula] comprou dois pedalinhos que devem ter custado uma ninharia. Depois ela faz a mesma coisa, com despesas ainda maiores, pra saber se os empreiteiros quiseram doar um apartamento, que acabaram não doando, por uma série de razões — uma delas é que o Lula não aceitou —, mas não toma nenhuma iniciativa quando o governo, numa medida provisória (MP), doa o pré-sal pra empresas estrangeiras; em outra [MP], acaba com o conteúdo nacional, flexibiliza o controle do meio ambiente e isenta de impostos empresas que vão extrair um petróleo que era importantíssimo pro desenvolvimento do Brasil.

E a Lava Jato dá cobertura pra isso, com o seu foco em cima de um tríplex miserável e de um pedalinho insignificante, e nenhuma manifestação existe por parte de juízes, promotores e policiais federais nem tampouco de suas combativas associações.

Por que o senhor aponta que haveria interesses internacionais no abuso de poder praticado por alguns setores do Judiciário hoje?

Essa investigação da Lava Jato está dando cobertura para a entrega do país. É uma narrativa que criminaliza o conjunto da política brasileira, de todos os partidos, criminaliza o Estado, as empresas públicas de uma forma absolutamente irrazoável. Por exemplo, colocaram em leilão três hidrelétricas em Minas Gerais porque o Estado não tem condição de operar uma empresa, e elas foram vendidas pra três estatais — uma chinesa, uma francesa, uma italiana. Isso é uma contradição.

Que significado pode ter a presença massiva de apoiadores do ex-presidente na mobilização que vai ocorrer em Porto Alegre no dia 24?

É uma mobilização em torno da democracia brasileira, do direito de escolha do modelo econômico, social, administrativo e político em que vivemos por parte da população. É o reconhecimento também de que, neste momento, a figura do Lula é a que viabiliza, pelo seu prestígio, pelas suas políticas sociais, um corte neste processo entreguista que o Brasil está sofrendo.

Então, a participação dele no processo eleitoral é muito importante. Do Lula com seus erros, com os seus acertos, com a experiência que adquiriu e com uma proposta extraordinariamente clara, que se consubstancia numa frente única de defesa do Brasil.

Artigos Relacionados

Denúncia da Denúncia da "máfia da merenda" expõe Capez e corrupção no governo Alckmin
JUSTIÇA Dois anos depois de operação, Ministério Público denuncia o deputado Fernando...
Contra Lula e Bolsonaro, a velha direita tenta se manter como centro Contra Lula e Bolsonaro, a velha direita tenta se manter como centro
SUCESSÃO Desunida, sem um presidenciável competitivo e com o peso de Temer, a casa-grande...
Saiba o que está por trás da polêmica nomeação de Cristiane Brasil por Temer Saiba o que está por trás da polêmica nomeação de Cristiane Brasil por Temer
MT Impedida de tomar posse, parlamentar articulou apoio do PTB ao golpe e votou a favor de medidas...

Leia mais

Correio Caros Amigos

 
powered by moosend
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade