PCdoB lança Manuela D'Ávila, mas segue defendendo unidade na esquerda

Política
Typography

Manuela D'Ávila pode trazer votos dos mais jovens e se contrapor ao discurso machista e conservador

Por Tiago Pereira
Da Rede Brasil Atual

A pré-candidatura da deputada estadual do Rio Grande do Sul Manuela D'Ávila (PCdoB) à Presidência da República quebra um "tabu" de de mais de sete décadas. O partido não tem candidato presidencial desde as eleições de 1945, com Yedo Fiúza, então prefeito de Petrópolis (RJ), quando o antigo "Partidão" ainda reunia na mesma sigla as que no início dos anos 1960 se dividiriam em PCdoB e PCB, ambos obrigados a atuar na clandestinidade até a redemocratização, nos anos 1980. 

A indicação, anunciada no fim de semana pela legenda, é considerada uma estratégia para fortalecer outros nomes dentro do campo da esquerda, em uma eleição marcada pela incerteza e pela multiplicidade de nomes que deverão aparecer no pleito do ano que vem. Segundo a presidenta do PCdoB, deputada federal Luciana Santos (PE), mais do que discutir nomes, o que o partido pretende é discutir projetos, com uma saída progressista para as crises simultâneas que o país enfrenta.

Leia mais:

Visita de Judith Butler ensina: ideologia de gênero e bruxas não existem

Contra a violência, "cidades" só para mulheres

Após salvar Temer, bancada da bala impõe agenda de votações

A dirigente afirma que é o "tempo político" que vai dizer se a candidatura de Manuela será irreversível, e que o PCdoB já deu "demonstrações irrefutáveis" de unidade pela esquerda. 

PUBLICIDADE

"Vamos fazer um exercício para saber o que a gente vai acumular no processo e ver qual é a melhor estratégia. O que nos interessa é o nosso campo ganhar as eleições do ano que vem. Lá na frente, vamos poder ter uma noção de qual será a melhor estratégia. Se é ter mais de uma candidatura, ou não", diz Luciana. 

Ela compara a pré-candidatura de Manuela D'Ávila à de Ciro Gomes (PDT), que também "mais contribui do que prejudica", segundo Luciana, para o debate político à esquerda. "Em várias experiências nos estados, tem situações que, para a vitória do nosso campo político, muitas vezes, mais de uma candidatura ajuda. Há situações que não, em que é preciso unir."

Segundo a deputada, a pré-candidatura do partido serve também de resistência à agenda neoliberal do governo Temer. Ela prevê consequências "tenebrosas" e "nefastas" de medidas do governo, como o congelamento dos investimentos por 20 anos, e a precarização das relações de trabalho com a reforma que entre em vigor no sábado (11), além de cortes em programas sociais de todo tipo.

"Ao mesmo tempo, não falta dinheiro para o pagamento da dívida pública, para o mercado financeiro, pois 42% do orçamento vai para a ciranda financeira. É uma opção de Estado mínimo para o povo, e máximo para os rentistas", diz.

Fator Lula

Por ser mulher e jovem, Manuela D'Ávila também representa a tentativa de disputar votos dessas parcelas do eleitorado. Além de trazer a discussão de gênero para a disputa, a candidata poderia enfrentar os arroubos machistas do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), também pré-candidato. 

O cientista político Vitor Marchetti, da Universidade Federal do ABC (UFABC), lembra que não é pequeno o número de jovens que vêm aderindo a bandeiras conservadoras na política nos últimos tempos.  Ele acredita que uma eventual ruptura do PCdoB com o seu aliado histórico, o PT, pode aparentar dificuldade na coordenação política da esquerda. Mas avalia que a pulverização de candidaturas também pode ser uma estratégia, dadas as incertezas jurídicas relacionadas à presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na eleição – e à rejeição ao seu nome. Seria como ter mais de um cavalo na disputa pelo páreo, compara o cientista político. 

"Me parece que uma estratégia da esquerda é lançar várias candidaturas para tentar trazer para esse campo votos de eleitores que não vão com Lula. O que estou projetando, para o cenário do ano que vem é um número muito grande de candidaturas, comparado com 1989. A direita também não tem líderes capazes de reunir o campo inteiro. A esquerda talvez esteja reagindo da mesma forma. Com um número grande de candidaturas, a chance de se ter um candidato na casa dos 20% dos votos ir para o segundo turno é alta", analisa Marchetti. 

Ele acredita que candidaturas à esquerda, como a de Manuela, podem desaparecer, caso Lula se confirme como candidato. Mesmo nesse cenário, o professor diz que a "pulverização" poderia uma estratégia a se considerar. "Talvez usar outros nomes na linha de frente, disputando as eleições no primeiro turno, fazendo esse papel de atrair um eleitor que pode dialogar com a esquerda, com o campo progressista, mas tem resistências ao nome do Lula, seja uma estratégia inteligente", avalia.

Artigos Relacionados

Sobe desaprovação a Temer e Lula cresce nas intenções de voto Sobe desaprovação a Temer e Lula cresce nas intenções de voto
SÓ 10% APÓIAM Avaliação negativa ao governo aumentou para 44% e desaprovação pessoal ao...
Em nova pesquisa de intenção de voto, Lula lidera em todos os cenários Em nova pesquisa de intenção de voto, Lula lidera em todos os cenários
ELEIÇÕES 2018 Com cerca de um ano e meio das eleições presidenciais de 2018, o ex-presidente...
Paulo Teixeira defende que PT participe de frente política de esquerda Paulo Teixeira defende que PT participe de frente política de esquerda
RUMOS Deputado diz também que detenção do líder do MTST Guilherme Boulos está de acordo...

Leia mais

Correio Caros Amigos

 
powered by moosend
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade