Ex-ministro Paulo Vannuchi é eleito para comissão da OEA

Política
Typography

Organismo integra um sistema de proteção e promoção de direitos humanos nas Américas


Da Agência Brasil

PauloVannuchi-tpO ex-ministro da Secretaria de Direitos Humanos (SDH) Paulo Vannuchi foi eleito quinta-feira (6) para compor a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), da Organização dos Estados Americanos (OEA) - também foram eleitos os candidatos dos Estados Unidos, James Cavallaro, e o do México, José de Jesús Orozco Henríquez. Vannuchi participou do debate de 15 anos de Caros Amigos em 2012; confira a palestra dele no vídeo abaixo.

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos é formada por sete membros e é uma das entidades do Sistema Interamericano de Proteção e Promoção dos Direitos Humanos nas Américas. Três vagas foram renovadas no processo eleitoral, que começou há três dias. Segundo o Ministério das Relações Exteriores, a eleição de Vannuchi à CIDH fortalece o compromisso do Brasil com o Sistema Interamericano de Direitos Humanos.

SDH

Paulo Vannuchi comandou a SDH entre 2005 e 2011, durante o governo do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Formado em jornalismo e com mestrado em ciência política, Paulo de Tarso Vannuchi, de 63 anos, sempre atuou na defesa e preservação dos direitos humanos. Paulista de São Joaquim da Barra, ele foi preso político durante o governo militar.

PUBLICIDADE

O ex-ministro foi o principal responsável pelo Programa Nacional de Direitos Humanos. Em 2010, Vannuchi defendeu que Lei de Anistia não se aplica aos torturadores. Atualmente é diretor do Instituto Lula e responsável pelo projeto do Memorial da Democracia. É também analista político da TVT e da Rádio Brasil Atual.

Dossiê

Vannuchi participou da elaboração do livro Brasil Nunca Mais, coordenado por dom Paulo Evaristo Arns. Em 1975, foi um dos responsáveis pelo dossiê entregue à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) sobre a tortura praticada pela ditadura militar e os assassinatos cometidos, mencionando 233 nomes de torturadores e detalhando os métodos usados, inclusive citando unidades onde as torturas ocorriam. O documento é considerado um dos mais completos desde 1964.

De 1977 a 1985, Vannuchi trabalhou com a Comissão Pastoral da Terra, a Pastoral Operária e as Comunidades Eclesiais de Base da Igreja Católica, promovendo cursos de formação e assessoria política para lideranças, religiosos e bispos.

Vannuchi foi deputado federal na Assembleia Nacional Constituinte, em 1986, e secretário executivo da Coordenação Nacional da campanha de Lula, em 1994.
 

Artigos Relacionados

Jornal denuncia atuação de empresas transnacionais para mudança em leis brasileiras Jornal denuncia atuação de empresas transnacionais para mudança em leis brasileiras
PETRÓLEO The Guardian afirma que ministério de Minas e Energia agiu em nome de grandes petrol...
Impunidade de Temer e Aécio é a cara do Brasil pós-golpe Impunidade de Temer e Aécio é a cara do Brasil pós-golpe
ANÁLISE No estado de exceção do Brasil pós-golpe de 2016, naturaliza-se a injustiça, e...
Sistema tributário injusto aprofunda a desigualdade social do Brasil Sistema tributário injusto aprofunda a desigualdade social do Brasil
QUEM TEM MENOS, PAGA MAIS Distorção nas alíquotas de imposto de renda e isenção de...

Leia mais

Correio Caros Amigos

 
powered by moosend
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade