"Governo não tem mais margem fiscal para comprar parlamentares"

Política
Typography

"Converso com muitos deputados. Eles sentem a pressão depois de votações impopulares", diz Orlando Silva

Por Eduardo Maretti
Da Rede Brasil Atual

A cada semana que passa, o governo perde mais poder de fogo para aprovar reformas que exigem quórum qualificado no Congresso Nacional, caso da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287/16, que trata da reforma da Previdência. “O governo não dispõe mais de margem fiscal para ficar comprando parlamentares para aprovar essas matérias. Quanto mais desgastada a imagem do governo, mais difícil ter apoio junto aos parlamentares”, avalia o analista político Antônio Augusto de Queiroz, diretor do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap).

Para ele, o governo Michel Temer não tem mais como “compensar”, do ponto de vista dos interesses dos parlamentares, as chamadas contrapartidas em troca do voto: liberação de emendas, nomeação de pessoas, incentivo fiscal para setores representados pelos parlamentares.

Leia mais:

Eugênio Aragão traduz Rodrigo Janot: No deles é bom. No meu não

Professores gaúchos entram em greve por tempo indeterminado

A diferença entre ortodoxia e dogmatismo

Embora com discurso menos enfático sobre o enfraquecimento do governo, a opinião do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) – presidente da República em exercício durante a viagem de Temer à China –, é semelhante. Nesta segunda-feira (4), ele declarou: "Não dá para negar que a relação de forças do governo no Congresso perdeu alguma força. Esse tipo de ato, uma denúncia, gera desgaste, gera algum tipo de desarticulação", em referência à esperada nova denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra Temer. Para ser aprovada na Câmara, a PEC 287 precisa de 308 votos. O governo não passa de 280 votos, de acordo com Rodrigo Maia.

PUBLICIDADE

Na opinião de Queiroz, a análise de Maia é realista. “O diagnóstico é que o governo perde legitimidade a cada momento que passa, dada as suas políticas de desmonte do Estado, em que a população não tem serviços públicos, já que os recursos estão todos contingenciados ou voltados para outros compromissos que não aqueles que interessam à maioria da população, que, mais do que nunca, precisa do apoio do Estado nesse momento de recessão e desemprego elevado.”

“A reforma da Previdência está às vésperas de ser sepultada”, diz o deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP). “A greve geral de abril, que teve a reforma da Previdência como centro, provocou grande repercussão no Congresso Nacional, e o que vai barrar a reforma é um mix de crise política com reação da sociedade. As pesquisas mostram que a grande maioria é contrária a essa reforma. O governo faz pesquisa, controla redes sociais, sabe que há uma grande contestação. O governo nunca teve votos para aprovar a reforma da Previdência”, acrescenta.

Maia afirmou ainda que sua expectativa é de que a reforma da Previdência tem de ser aprovada logo, para ter alguma chance, o que é um indicativo claro de que ele conhece a tendência de a base do governo se enfraquecer ainda mais. “Ou vai aprovar em outubro, em novembro, ou não vai aprovar”, disse, em evento em São Paulo. Mas reconheceu: “O problema não é a data, é ter voto para votar. Hoje tem menos votos do que antes”.

Eleições 2018

Já nesta terça-feira (5), Maia refutou a ideia de que a aprovação da PEC da Previdência ameaça o desempenho eleitoral dos parlamentares em 2018. “Vou seguir tentando convencer os líderes de que a aprovação da reforma da Previdência não vai tirar votos”, disse.

Na opinião de Orlando Silva, essa avaliação “é uma ilusão”. “Deputado vai ver o desgaste da reforma da Previdência e de votar contra a denúncia de Temer (pela PGR) na eleição. Eu converso com muitos deputados. Eles sentem a pressão depois de votações impopulares. No caso da Previdência, é quase unanimidade: é gente da ativa, são inativos, funcionários públicos e de empresa. Para o deputado que votar essa medida é uma sentença de morte política.”

Na opinião do cientista político do Diap, se a avaliação de Maia de que a base de Temer se enfraqueceu é realista, sua previsão de que a reforma da Previdência precisa ser votada em outubro ou novembro para ter chance não é. “Não tem chance de aprovar isso. Eles sabem que o problema não é a reforma da Previdência. O problema é o congelamento do gasto público, é essa política suicida do governo de não querer encarar as coisas como elas são. Ele quer fazer uma reforma do agrado do mercado, mas que penaliza os mais pobres e não resolve o problema”, diz Queiroz. “Matérias que exigem quórum qualificado de três quintos, como a PEC da Previdência, realmente é muito difícil de ser aprovada.”

 

Artigos Relacionados

Bradesco, Itaú, Santander e Safra doaram para relator da reforma da Previdência Bradesco, Itaú, Santander e Safra doaram para relator da reforma da Previdência
CONTESTAÇÕES Parlamentares questionaram indicação do presidente sem acordo com líderes,...
Reforma justa da Previdência exige diálogo, afirma diretor da OIT Reforma justa da Previdência exige diálogo, afirma diretor da OIT
SISTEMA UNIVERSAL Representante da entidade no Brasil vê necessidade de mudanças, mas observa...
PEC da Previdência reduz proteção e torna aposentadoria integral uma 'utopia' PEC da Previdência reduz proteção e torna aposentadoria integral uma 'utopia'
SISTEMA MÍNIMO Para o Dieese, objetivo é dificultar ou impedir acesso a benefícios – ou...

Leia mais

Correio Caros Amigos

 
powered by moosend
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
×
CORREIO CAROS AMIGOS
powered by moosend