Paramilitarismo é maior obstáculo à paz na Colômbia, dizem Farc e ELN em Havana

Internacional
Typography

 

Processo de paz entre governo e Farc se encontra em período de implementação, enquanto com a ELN também está se encaminhando

Do Opera Mundi

Representantes das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) e do ELN (Exército de Libertação Nacional) se reuniram nesta quinta-feira (11) em Havana, Cuba, onde reafirmaram o compromisso com seus respectivos processos de paz e denunciaram o fortalecimento do paramilitarismo na Colômbia.

Em conferência de imprensa, Nicolás Rodríguez, do Comando Central do ELN, disse que a violência armada da extrema-direita é o “obstáculo mais grave” à paz. Ele ressaltou a “grande responsabilidade” do Estado colombiano por esse “grave fenômeno” e lembrou a “quantidade de líderes comunitários assassinados” por paramilitares durante o processo de paz com as duas guerrilhas.

“Até agora, não vemos vontade de uma luta frontal por parte do Estado e do governo contra o paramilitarismo”, disse Rodríguez. “A paz não pode ser retórica, mostrar feitos concretos é essencial.”

Leia mais:

Senado da Argentina veta alívio de pena a agentes da ditadura

Parada da Vitória 2017: frio, material bélico "ártico" e ausência de aviões

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

"Uberizar" o país e mudar leis trabalhistas: quem é (e o que defende) Emmanuel Macron, novo presidente da França?

 

Timoleón Jiménez, chefe das Farc, expressou a satisfação da guerrilha pelos resultados do encontro em Havana e reafirmou a disposição de cumprir com os compromissos assumidos no acordo de paz alcançado entre Farc e governo de Juan Manuel Santos em novembro do ano passado.

Este é o primeiro encontro público entre Farc e ELN, que escolheram a capital cubana para sua reunião “histórica” para compartilhar experiências sobre seus respectivos processos de paz. Havana também sediou durante quase quatro anos o diálogo de paz entre as Farc e o governo colombiano.

Farc e ELN divulgaram declaração conjunta ressaltando que mantêm “objetivos comuns, com caminhos diferentes, porém complementares, com o de buscar que a sociedade tenha uma função protagonista no alcance da paz”.

As guerrilhas também afirmam que coincidem na disposição de “tornar os direitos das vítimas o cerne da busca pela paz”. “Buscaremos que o presente esforço pela solução política envolva as distintas forças que participam do debate para as eleições de 2018 e trataremos de evitar que os chamados à guerra que faz a extrema-direita revertam este impulso por alcançar um novo país com igualdade”, diz a declaração.

O processo de paz entre governo e Farc se encontra em processo de implementação, enquanto o ELN e representantes do Executivo de Santos voltam a se reunir em 16 de maio em Quito, no Equador, para retomar o diálogo para estabelecer um acordo de paz. 

 

Artigos Relacionados

Assembleia Constituinte da Venezuela decide assumir parte das funções do Poder Legislativo Assembleia Constituinte da Venezuela decide assumir parte das funções do Poder Legislativo
AMÉRICA DO SUL Presidente da ANC, Delcy Rodríguez, disse que pretende regulamentar com urgê...
Uruguai reafirma críticas à reforma trabalhista de Temer Uruguai reafirma críticas à reforma trabalhista de Temer
RETROCESSO A retirada de direitos imposta pelo governo brasileiro é vista em Montevidéu como...
Estado Islâmico reivindica autoria de atentado em Barcelona Estado Islâmico reivindica autoria de atentado em Barcelona
EUROPA Ataque ocorreu nas proximidades da estação de metrô de Las Ramblas, em Barcelona; at...

Leia mais
×

×
CORREIO CAROS AMIGOS
powered by moosend