Primeira-ministra Theresa May antecipa eleições no Reino Unido para 8 de junho

Internacional
Typography

Ela também aproveitou a ocasião e pediu para os britânicos votarem na sua legenda, o Partido Conservador, para conduzir o processo de divórcio do país da União Europeia

Do Opera Mundi

A primeira-ministra do Reino Unido, a conservadora Theresa May, anunciou nesta terça-feira (18/04) que decidiu antecipar as eleições gerais para o próximo dia 8 de junho, sem esperar a data prevista para o pleito, que está inicialmente marcado para 2020.

As eleições foram convocadas para tentar enfrentar as reações ao Brexit, que vem tanto da oposição do Partido Trabalhista e dos Liberais Democratas, quanto dos movimentos de independência na Escócia. Essa situação poderia enfraquecer o Reino Unido nas negociações com a UE. Um resultado pró-May no pleito reforçaria a posição dela nas negociações.

"O Brexit é de interesse nacional, mas os outros partidos se opõem", disse May, referindo-se à saída do Reino Unido da União Europeia (UE).

Leia mais:

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

"EUA buscam criar na América Latina situação militar igual à do Oriente Médio"

Pochmann: Valores da periferia estão mais próximos do anarquismo do que do liberalismo

França: Mélenchon, candidato de esquerda, cresce e empata com direitista para presidência

Admitindo que tinha excluído anteriormente a ideia de novas eleições, May disse que agora reconhece que este "é o único modo de garantir a estabilidade" do país. "Precisamos e precisamos fazer isso agora", disse.

Ela também aproveitou a ocasião e pediu para os britânicos votarem na sua legenda, o Partido Conservador, para conduzir o processo de divórcio do país da União Europeia. May tomou posse em 13 de junho de 2016, após a renúncia do então premiê David Cameron. Ele deixou o cargo porque não conseguiu conter a vitória do "sim" no referendo que optou pelo Brexit. As pesquisas mostram uma vantagem dos conservadores para um próximo pleito.

Nas últimas eleições gerais, em maio de 2015, os Conservadores, do então premiê Cameron, conseguiram maioria folgada no Parlamento, sem necessidade de coligações.

Artigos Relacionados

Maioria dos americanos não confia em Trump para lidar com Coreia do Norte, aponta pesquisa Maioria dos americanos não confia em Trump para lidar com Coreia do Norte, aponta pesquisa
EUA Segundo levantamento realizado pelo instituto Ipsos, 51% dos norte-americanos questionam...
Parlamentares sul-americanos chegam à Venezuela e se propõem a mediar acordo de paz Parlamentares sul-americanos chegam à Venezuela e se propõem a mediar acordo de paz
SOLIDARIEDADE Deputados da Parlasul propuseram que a entidade integre a mesa de diálogo...
Embaixadora dos EUA na ONU diz que diplomacia se esgotou com Pyongyang Embaixadora dos EUA na ONU diz que diplomacia se esgotou com Pyongyang
TENSÃO "Esgotamos quase todas as coisas que podemos fazer", disse Nikki Haley; Conselho de...

Leia mais
×

×
CORREIO CAROS AMIGOS
powered by moosend