"EUA buscam criar na América Latina situação militar igual à do Oriente Médio"

Internacional
Typography

"EUA buscam criar na América Latina situação militar igual à do Oriente Médio"

Por Sputnik News

Estados Unidos e seus aliados estão preparando o terreno na América Latina pra uma intervenção a longo prazo, disse à Sputnik o especialista em relações internacionais, Ghazi Nassendini, presidente do Centro de Análise e Estudos Global AZ.

"Os Estados Unidos estão preparando condições para os próximos anos, para criar uma situação muito semelhante à do Oriente Médio na América Latina que justifique sua intervenção direta nos assuntos de outros países", explicou o especialista.

Leia mais:

Um ano depois, apagão da Petrobras é a conta mais perversa do golpe

PUBLICIDADE

 

Jornada Nacional de Luta pela Reforma Agrária marca 21 anos do Massacre de Eldorado dos Carajás

Mobilização popular é prévia de greve geral convocada para 28 de abril

Os EUA podem defender de forma mais "simples" sua intervenção militar e política, assim como "estabelecer regimes neocoloniais obedientes às políticas norte-americanas", caso declarem a existência de ameaça à sua segurança, indicou Nassendini.

Antes de avaliar se a América Latina poderia ser uma zona de trânsito para grupos terroristas como o Daesh — proibido na Rússia, o analista acredita ser preciso observar a proliferação da doutrina e da formação destes grupos.

"Agora nós temos que fixar e advertir a nível mundial de onde chega o pensamento salafista-wahhabita, porque é dali que vão surgindo estes grupos terroristas que se preparam para algo no futuro", explicou.

Segundo Nassendini, a criação destes grupos foi útil para que Washington pudesse derrubar os governos aliados da União Soviética na década de 80, como é o caso do Afeganistão e Paquistão.

"E como isso funcionou para os Estados Unidos e para seus aliados no Golfo Pérsico, eles optaram por esta política em vários lugares", comentou.

Atualmente, a existência do Daesh serviu para levar as tropas dos EUA para a Síria, apesar de não terem uma relação "muito amistosa" com o governo do presidente Bashar Assad, considerou o analista.

"De nenhuma forma, o governo sírio permitiria aos EUA que tivessem bases militares, aéreas, marítimas, de veículos blindados, em seu território, porém, aproveitando-se da situação dos terroristas — enviados, financiados e treinados pelo Ocidente, EUA concederam para si próprios o direito de intervir na Síria militarmente", afirmou.

Neste sentido, o analista adverte para todos os países da América Latina sobre a presença de escolas e fundações que difundem e formam cidadãos nas crenças do Daesh.

"Realmente os países devem prevenir isto e, para fazê-lo, devem contar com políticas estratégicas, realmente sujeitas ao direito internacional, aos direitos humanos, e ter uma supervisão muito aguda sobre o pensamento propagados nestes colégios, nestas escolas", indicou.

Embora Nassendini diga que não pode afirmar que não haja grupos jihadistas na Venezuela e em outros países da região, ele alertou sobre as condições para a propagação destas crenças.

"Não posso dizer que existam jihadistas que sejam elementos já formados, já treinados, com objetivos, com base, com plataforma; isso não posso dizer, mas existem condições que criam os jihadistas, e isso é muito pior", assinalou.

Em relação a isso, recordou que os Estados Unidos estão trabalhando a longo prazo e que os governos da região, "sejam de esquerda ou de direita", carecem de "maturidade política e governabilidade necessária" para prevenir esta situação, já que estas condições os convertem em uma presa fácil para uma intervenção estrangeira.

Alguns dias atrás, tanto o direto adjunto do Departamento de Novos Desafios e Ameaças do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Dmitry Feoktistov, como o chefe do Comando do Sul dos EUA, almirante Kurt Tidd, fizeram referência à possibilidade de que, no futuro, integrantes do Daesh possam utilizar países da América Latina e do Caribe como territórios de trânsito.

Artigos Relacionados

Coreia do Norte ameaça testar bomba nuclear de hidrogênio no oceano Pacífico Coreia do Norte ameaça testar bomba nuclear de hidrogênio no oceano Pacífico
ÁSIA Kim Jong-un chamou presidente norte-americano de "senil" e afirmou que republicano é "...
Em última entrevista como presidente, Obama diz que não há alternativa viável a dois Estados para Palestina e Israel Em última entrevista como presidente, Obama diz que não há alternativa viável a dois Estados para Palestina e Israel
AMÉRICA DO NORTE Para Obama, "não podemos forçar a paz" entre as duas nações; democrata...
McCain admite liderança da Rússia no Oriente Médio McCain admite liderança da Rússia no Oriente Médio
GEOPOLÍTICA O presidente Vladimir Putin consegui para o seu país o papel de líder no Oriente...

Leia mais

Correio Caros Amigos

 
powered by moosend
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
×
CORREIO CAROS AMIGOS
powered by moosend