Moscou nega ter "informações comprometedoras" sobre Trump

Internacional
Typography

 

Imprensa norte-americana publicou suposto dossiê que afirma que o governo russo tem usado influência sobre republicano; Presidente eleito nega "chantagem" russa

Do Opera Mundi

"É absolutamente falso, fabricado" por aqueles que têm interesse em "prejudicar as relações bilaterais" entre Rússia e EUA, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.

"Há quem instigue esta histeria para sustentar essa caça às bruxas. A propósito, o próprio presidente Trump definiu essa mentira como a continuação da caça às bruxas", ressaltou o porta-voz do presidente russo, Vladimir Putin, a quem os serviços de inteligência dos EUA acusam de interferir nas eleições presidenciais norte-americanas em favor do republicano.

"O Kremlin não se dedica a reunir informações comprometedoras", insistiu o porta-voz ao assegurar que Moscou também não dispõe de dados que possam causar prejuízo a Hillary Clinton, que foi candidata à presidência dos Estados Unidos pelo Partido Democrata.

Leia mais:

As guerras que se avizinham

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

Pensamento conservador ganha força e dá as caras no mundo

O crime e o Estado se retroalimentam

Na terça-feira (10), o site Buzzfeed publicou um suposto dossiê com informações coletadas por um ex-agente de inteligência britânico com fontes russas que indicaram que Moscou tem “informações comprometedoras” sobre Trump, que usou para chantagear o republicano. O site indicou que a veracidade do suposto relatório e das informações que ele contém não pôde ser verificada. Segundo a CNN, o presidente dos EUA, Barack Obama, teria recebido um resumo deste dossiê, entregue a ele pelo FBI.

As informações em poder da Rússia incluiriam provas recolhidas pelos serviços de inteligência russos sobre atividades sexuais de Trump em um hotel de Moscou. Segundo o documento, Trump teria contratado prostitutas para participar de orgias na suíte presidencial do Hotel Ritz Carlton, na qual já se hospedaram o atual presidente dos EUA e a primeira-dama, Michelle Obama, durante uma visita à capital russa.

O relatório citado também detalha que as autoridades russas ofereceram a Trump negócios imobiliários relacionados especialmente com a Copa Mundial de 2018, embora o presidente eleito tenha rejeitado. O que Trump e seus assessores teriam de fato aceitado foram informações sobre os democratas e Hillary Clinton, que a inteligência russa teria obtido através de ciberataques.

O próprio Donald Trump negou tais alegações, afirmando se tratar de “notícia falsa”. “A Rússia nunca tentou usar qualquer influência sobre mim. "Não tenho nada a ver com a Rússia - Nenhum acordo, nenhum empréstimo, nada!", escreveu o futuro presidente dos EUA em seu Twitter. 

 

 

Artigos Relacionados

Assembleia Constituinte da Venezuela decide assumir parte das funções do Poder Legislativo Assembleia Constituinte da Venezuela decide assumir parte das funções do Poder Legislativo
AMÉRICA DO SUL Presidente da ANC, Delcy Rodríguez, disse que pretende regulamentar com urgê...
Uruguai reafirma críticas à reforma trabalhista de Temer Uruguai reafirma críticas à reforma trabalhista de Temer
RETROCESSO A retirada de direitos imposta pelo governo brasileiro é vista em Montevidéu como...
"EUA e aliados estão aterrorizados com democracia participativa", diz socióloga venezuelana
ENTREVISTA Em entrevista exclusiva, Maria Páez Victor aborda informações sobre a Venezuela...

Leia mais
×

×
CORREIO CAROS AMIGOS
powered by moosend