Governo venezuelano e oposição sentam para negociar na República Dominicana

Internacional
Typography

 

As mesas de diálogo começaram sexta-feira (1) e terminam neste sábado (2); chanceleres de cinco países participam

Por Fania Rodrigues
Do Brasil de Fato

As delegações do governo da Venezuela e da Mesa da Unidade Democrática (MUD), coalizão de partidos opositores, estão reunidas nessa sexta-feira (1) e neste sábado (2) na República Dominicana para dialogar e negociar o fim do conflito político e econômico que resultou em mais de cem mortos neste ano.

Os pontos da negociação foram previamente acordados entre as partes. O governo espera conseguir garantias de paz e que a oposição aceite os resultados eleitorais, independentemente do resultado, além de chegar a um acordo para estabilizar a economia, frear o boicote empresarial e o bloqueio internacional. Já a oposição leva para a mesa proposições como a realização de "eleições limpas e seguras", a liberação de presos em função de protestos violentos realizados pela oposição entre abril e julho, a devolução das faculdades legais da Assembleia Nacional (Congresso), que foram suspensas "por desacato" pelo Supremo Tribunal de Justiça (STJ), e abertura de instrumentos de ajuda humanitária devido à situação econômica do país.

Leia mais:

OEA pede que TSE de Honduras reconte mais de 5 mil atas eleitorais; população faz protestos pelo país

Argentina condena dezenas por "voos da morte" e crimes na ditadura

Um amado comunista

A comunidade internacional também participa da mesa de negociação. Como convidados do governo venezuelano participam os ministros de Relações Exteriores da Nicarágua, da Bolívia e de São Vicente e Granadinas. Por parte dos partidos opositores estão os chanceleres do Chile e do México. O ministro do Paraguai, também convidado da oposição, cancelou sua participação.

PUBLICIDADE

O papel do ministros de outros países é o de observadores, mediadores e testemunhas oficiais de um possível acordo. O presidente da República Dominicana, Danilo Medina, anfitrião dos diálogos, igualmente participa da mesa negociação política.

Na Venezuela, a população espera com expectativa os resultados das negociações e tem a expectativa de que governo e oposição possam chegar a um acordo para alcançar a paz. "Os diálogos de paz são o melhor para o país. Para nos unir. Que ano que vem seja melhor que este ano e que o diferencial seja a paz", diz o aposentado Carlos Gallano, morador de Caracas.

Para as a engenheira Ileana Osório, seu país precisa reencontrar o caminho pacífico. "Creio que na Venezuela é necessário que a oposição e o governo sentem a dialogar, porque necessitamos que as coisas se resolvam de maneira pacífica. Nos últimos 20 anos, vivemos em um país democrático, onde se respeitam as decisões das maiorias e das minorias também. Agora, os diálogos são necessários porque os últimos meses foram de conflitos", defende.

Porta-vozes

Durante este ano, ocorreram diferentes tentativas de diálogo, mas alguns partidos da oposição faltaram aos encontros agendados na República Dominica nos meses de setembro e outubro. Esta é a primeira vez que todos os porta-vozes comparecem à mesa de negociação e aceitam dialogar com o governo.

Entre as delegações o clima prévio ao encontro era de otimismo. Nessa sexta (1), o presidente Nicolás Maduro comemorou o fato de a oposição aceitar o diálogo. "Consegui, estou conseguindo. Hoje, pela primeira, vez a MUD sentou na mesa de diálogo de maneira definitiva. Essa é uma conquista nacional", escreveu em sua conta na rede social Twitter.

O chefe da delegação do governo, o ministro de Comunicação, Jorge Rodríguez, fez declarações à imprensa direto da República Dominicana. "Viemos aqui já com uma agenda pré-acordada e temos como objetivo principal a proteção econômica do povo venezuelano. Escutaremos o que a oposição tem a dizer, mas também exigimos o cesse imediato das agressões econômicas contra a Venezuela. Outro ponto da negociação são as garantias políticas para as eleições. A Venezuela está em condições e capacidade de proporcionar todas as garantias dos processos eleitorais", destacou o ministro.

A Mesa da Unidade Democrática divulgou um comunicado no final da jornada de negociação de sexta. "Estamos trabalhando intensamente nesses dias com a equipe de negociação da MUD, com o mais sincero interesse no país e na possibilidade de construir soluções para melhorar a dramática situação nacional", dizia o comunicado. 

O presidente da Assembleia Nacional, o deputado Julio Borges, líder do partido Primeiro Justiça, concedeu uma entrevista coletiva nesta semana antes de ir à República Dominicana. "Temos uma agenda nítida de luta, que iremos levar a esse processo de negociação, onde, pela primeira vez conseguimos que seis chanceleres sentassem à mesa, assim como o presidente da República Dominicana", disse o deputado opositor.

Até domingo (3), as duas delegações devem anunciar o resultado da negociação e se chegaram ou não a um acordo de paz.

Artigos Relacionados

Secretário de Estado dos EUA sugere golpe militar na Venezuela Secretário de Estado dos EUA sugere golpe militar na Venezuela
AMÉRICA DO SUL  Já no ano passado, em meio à convocação da Assembleia Nacional...
Turquia inicia operação militar terrestre e aérea contra curdos na Síria Turquia inicia operação militar terrestre e aérea contra curdos na Síria
ORIENTE MÉDIO No início deste sábado, presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, declarou...
Apple pagará US$ 38 bilhões para repatriar capital aos EUA Apple pagará US$ 38 bilhões para repatriar capital aos EUA
EUA Pagamento é para repatriamento de dinheiro mantido no exterior; gigante da informática...

Leia mais

Correio Caros Amigos

 
powered by moosend
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade