Países da América Latina rejeitam ameaça de ação militar de Trump contra Venezuela

Internacional
Typography

 

Evo Morales: "Trump revela descaradamente seu plano de intervenção militar contra a Venezuela" 

Do Opera Mundi

"O repúdio à violência e a qualquer opção que envolva o uso da força é inarredável e constitui base fundamental do convívio democrático, tanto no plano interno como no das relações internacionais", afirmou o Mercosul em comunicado que foi divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores do Brasil.

Os países do Mercosul, completa a nota, continuarão insistindo, de forma individual e coletiva, para que a Venezuela "cumpra com os compromissos que assumiu, de forma livre e soberana, com a democracia como única forma de governo aceitável na região". O bloco diz que democracia no país foi afetada – o que Caracas nega. A Venezuela está suspensa do Mercosul.

A Colômbia seguiu o mesmo tom. "Rejeitamos medidas militares e o uso da força no sistema internacional. Todas as medidas devem ocorrer sobre o respeito da soberania da Venezuela e através de soluções pacíficas", indicou o Ministério de Relações Exteriores, em nota.

Leia mais:

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

Mercosul opta por política de fragmentação impulsionada pelos EUA, diz ministro venezuelano

Charlottesville reflete a América de Donald Trump

Constituinte consolida projeto de Chávez, diz diplomata

Para o México, a crise na Venezuela não pode ser resolvida com ações militares. "O governo do México expressa sua rejeição ao uso ou à ameaça de uso da força nas relações internacionais, e afirma que a crise na Venezuela não pode ser resolvida através de ações militares, internas ou externas", afirmou a Secretaria de Relações Exteriores (SRE) em comunicado.

"Da mesma forma, os países que assinaram a Declaração de Lima rejeitaram de maneira enérgica a violência e o uso da força", completou a nota da Chancelaria mexicana.

O Peru, que atravessa uma crise diplomática com a Venezuela, também rechaçou as ameaças. "Toda tentativa interna ou externa para recorrer à força solapa o objetivo de restaurar a governabilidade democrática na Venezuela, bem como os princípios consagrados na Carta das Nações Unidas", disse o Ministério de Relações Exteriores.

Pelo Twitter, o presidente da Bolívia, Evo Morales, também expressou seu rechaço. "Trump revela descaradamente seu plano de intervenção militar contra a Venezuela", afirmou.

Em meio à escalada de tensões na Venezuela, Trump disse, na sexta (11) que cogita uma "opção militar" para resolver a situação no país. "Temos muitas opções para a Venezuela, incluindo uma possível opção militar se necessário", disse o presidente americano.

"Temos tropas por todo o mundo, em lugares muito, muito afastados. A Venezuela não está muito longe e as pessoas estão sofrendo e morrendo", completou.

Artigos Relacionados

Catalunha: Adeus, Espanha? Catalunha: Adeus, Espanha?
ESPANHA Madri quer fazer desaparecer a questão catalã à força de sentenças judiciais. Não...
Segundo ONU, chegada de rohingyas a Bangladesh diminuiu nos últimos dias Segundo ONU, chegada de rohingyas a Bangladesh diminuiu nos últimos dias
ÁSIA Escritório em Bangladesh não descarta aumento de fluxo no próximo período, pois há...
Conquistas venezuelanas demonstram o fracasso do neoliberalismo Conquistas venezuelanas demonstram o fracasso do neoliberalismo
RESISTÊNCIA Para socióloga Maria Páez Victor, ações dos EUA ignoram a democracia participativa...

Leia mais
×

×
CORREIO CAROS AMIGOS
powered by moosend