Países da América Latina rejeitam ameaça de ação militar de Trump contra Venezuela

Internacional
Typography

 

Evo Morales: "Trump revela descaradamente seu plano de intervenção militar contra a Venezuela" 

Do Opera Mundi

"O repúdio à violência e a qualquer opção que envolva o uso da força é inarredável e constitui base fundamental do convívio democrático, tanto no plano interno como no das relações internacionais", afirmou o Mercosul em comunicado que foi divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores do Brasil.

Os países do Mercosul, completa a nota, continuarão insistindo, de forma individual e coletiva, para que a Venezuela "cumpra com os compromissos que assumiu, de forma livre e soberana, com a democracia como única forma de governo aceitável na região". O bloco diz que democracia no país foi afetada – o que Caracas nega. A Venezuela está suspensa do Mercosul.

A Colômbia seguiu o mesmo tom. "Rejeitamos medidas militares e o uso da força no sistema internacional. Todas as medidas devem ocorrer sobre o respeito da soberania da Venezuela e através de soluções pacíficas", indicou o Ministério de Relações Exteriores, em nota.

Leia mais:

PUBLICIDADE

Mercosul opta por política de fragmentação impulsionada pelos EUA, diz ministro venezuelano

Charlottesville reflete a América de Donald Trump

Constituinte consolida projeto de Chávez, diz diplomata

Para o México, a crise na Venezuela não pode ser resolvida com ações militares. "O governo do México expressa sua rejeição ao uso ou à ameaça de uso da força nas relações internacionais, e afirma que a crise na Venezuela não pode ser resolvida através de ações militares, internas ou externas", afirmou a Secretaria de Relações Exteriores (SRE) em comunicado.

"Da mesma forma, os países que assinaram a Declaração de Lima rejeitaram de maneira enérgica a violência e o uso da força", completou a nota da Chancelaria mexicana.

O Peru, que atravessa uma crise diplomática com a Venezuela, também rechaçou as ameaças. "Toda tentativa interna ou externa para recorrer à força solapa o objetivo de restaurar a governabilidade democrática na Venezuela, bem como os princípios consagrados na Carta das Nações Unidas", disse o Ministério de Relações Exteriores.

Pelo Twitter, o presidente da Bolívia, Evo Morales, também expressou seu rechaço. "Trump revela descaradamente seu plano de intervenção militar contra a Venezuela", afirmou.

Em meio à escalada de tensões na Venezuela, Trump disse, na sexta (11) que cogita uma "opção militar" para resolver a situação no país. "Temos muitas opções para a Venezuela, incluindo uma possível opção militar se necessário", disse o presidente americano.

"Temos tropas por todo o mundo, em lugares muito, muito afastados. A Venezuela não está muito longe e as pessoas estão sofrendo e morrendo", completou.

Artigos Relacionados

Secretário de Estado dos EUA sugere golpe militar na Venezuela Secretário de Estado dos EUA sugere golpe militar na Venezuela
AMÉRICA DO SUL  Já no ano passado, em meio à convocação da Assembleia Nacional...
Turquia inicia operação militar terrestre e aérea contra curdos na Síria Turquia inicia operação militar terrestre e aérea contra curdos na Síria
ORIENTE MÉDIO No início deste sábado, presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, declarou...
China vai ensinar alemão, espanhol e francês nas escolas secundárias do país China vai ensinar alemão, espanhol e francês nas escolas secundárias do país
ÁSIA Novos idiomas foram incluídos por estarem na lista dos mais usados pelo mundo e cobrirem...

Leia mais

Correio Caros Amigos

 
powered by moosend
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade