Maduro diz que sanções demonstram "ódio" e "impotência" de Trump

Internacional
Typography

 

"Não obedeço ordens imperiais, ordens de governos estrangeiros, nem hoje nem nunca", disse o presidente venezuelano; EUA impôs sanções contra ele em resposta à eleição da Constituinte no domingo

Do Opera Mundi

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, respondeu na noite desta segunda-feira (31) às sanções impostas contra ele pelo governo dos Estados Unidos, liderado por Donald Trump. Segundo o líder chavista, as sanções são prova do “ódio” e da “impotência” do mandatário norte-americano, que as ordenou como resposta à eleição da Assembleia Nacional Constituinte, realizada no domingo (30).

 

"São algumas decisões que expressam sua impotência, seu desespero, seu ódio. Expressam o caráter do magnata que é o imperador dos EUA. Não obedeço a ordens imperiais de governos estrangeiros", disse Maduro em um discurso transmitido por rede nacional de televisão a partir da sede do CNE (Conselho Nacional Eleitoral).

 

O presidente venezuelano criticou mais uma vez os EUA por se comportarem de maneira imperial na América Latina e no Caribe, atacando os governos da região que não se dobram ao domínio do governo norte-americano. “Ele [Trump] dá ordens que devem ser obedecidas por seus súditos em suas terras imperiais na América Latina e no Caribe”, disse Maduro.

Leia mais:

São Paulo, a “Cidade Linda” dos empresários

PUBLICIDADE

"O povo venezuelano demonstrou um alto grau de consciência política"

Rússia ordena redução de diplomatas dos EUA no país em resposta a sanções

“Eu não obedeço ordens imperiais, não obedeço ordens de governos estrangeiros, nem hoje nem nunca”, afirmou. “Sancionem, imponham as sanções que queiram, mas o povo venezuelano decidiu ser livre e eu sou o presidente de um povo livre, soberano, orgulhoso, patriota, bolivariano e chavista”, enfatizou.

Desde meados de julho o governo Trump vinha ameaçando o governo Maduro com sanções em uma tentativa de pressionar o presidente venezuelano a suspender a eleição para a Constituinte. O ministro de Relações Exteriores da Venezuela, Samuel Moncada, já havia anunciado que Caracas iria fazer “uma revisão profunda” da relação com Washington.

O secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, afirmou nesta segunda-feira (31/07) em comunicado que “a eleição ilegítima de ontem [domingo] confirma que Maduro é um ditador que desconsidera a vontade do povo venezuelano”. “Ao sancionar Maduro, os EUA deixam clara nossa oposição às políticas deste regime e nosso apoio ao povo da Venezuela que busca devolver uma democracia plena e próspera a seu país”, acrescentou.

A sanção significa que todos os ativos de Maduro sujeitos à jurisdição dos EUA estão congelados e que todos os norte-americanos estão proibidos de fazer qualquer transação com o presidente venezuelano, que ainda não se pronunciou sobre a medida.

Com Maduro, chega a 29 o número de membros ou ex-membros do governo da Venezuela sancionados pelos EUA, em medidas iniciadas pela administração de Barack Obama em 2015. Além do presidente venezuelano, os presidentes da Síria, Bashar al Assad, da Coreia do Norte, Kim Jong-un, e do Zimbábue, Robert Mugabe, também estão sob sanção dos EUA.

Artigos Relacionados

"Bolsa Família" da Itália entra em vigor em 1º de dezembro
EUROPA "Renda de inclusão social" pagará até 485 euros (cerca de R$ 1.900) para pessoas em situa...
China condena sanções contra empresas que negociam com a Coreia do Norte China condena sanções contra empresas que negociam com a Coreia do Norte
ÁSIA Companhia aérea estatal Air China suspendeu os voos para país; governo chinês, por sua...
Putin: empresas russas devem estar prontas para operações de guerra Putin: empresas russas devem estar prontas para operações de guerra
RÚSSIA O presidente russo, Vladimir Putin, afirmou que todas as principais empresas russas,...

Leia mais

Correio Caros Amigos

 
powered by moosend
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
×
CORREIO CAROS AMIGOS
powered by moosend