IBGE contraria Governo e mostra desemprego em alta

Economia
Typography

IBGE contraria Governo e mostra desemprego em alta

Por Fernando Brito
Do Tijolaço

Os números da Pesquisa por Amostra Domiciliar (Pnad) do IBG, divulgados há pouco, revelam que o desemprego, apesar dos anúncios oficiais de que teria começado a se reverter, continua subindo e muito fortemente.

Diz o resultado da Pnad que:

A população desocupada chegou a 13,5 milhões e bateu o recorde da série iniciada em 2012. Este contingente cresceu 11,7% (mais 1,4 milhão de pessoas) frente ao trimestre encerrado em novembro de 2016 e 30,6% (mais 3,2 milhões de pessoas em busca de trabalho) em relação a igual trimestre de 2016.

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

Mas estre resultado não é um retrato do que passou, Feita a comparação entre trimestre novembro-dezembro-janeiro com o dezembro-janeiro-fevereiro (2107) o número subiu em 600 mil desocupados. Só perde – e por pouco – para os 700 mil desempregados a mais na mesma transição em 2016.

É, portanto, a segunda maior variação mensal já registrada.

Já não é impossível que cheguemos ao final do ano com 15 milhões de desempregado, superando as previsão mais pessimista de que este número chegasse a 14 milhões.

O número de trabalhadores da construção civil, uma das maiores fontes de emprego do país caiu, pela primeira vez em muitos anos, abaixo de 7 milhões e vai cair mais, porque as obras públicas, já imobilizadas, em grande parte, pelas repercussões da Lava Jato, vão praticamente acabar com os cortes orçamentários – ampliados anteontem por Henrique Meirelles.

O descompasso entre o mundo das colunas econômicas e a realidade é cada vez maior e não pode ser eternamente escondido com previsões otimistas.

Artigos Relacionados

China, Venezuela... Quem se afirma mais? Hegemonia do dólar pode estar com dias contados China, Venezuela... Quem se afirma mais? Hegemonia do dólar pode estar com dias contados
ECONOMIA O tempo do dólar como meio de pagamento universal parece está chegando ao fim....
IBGE: Serviços caem 0,8% em julho. No ano, queda é de 4% IBGE: Serviços caem 0,8% em julho. No ano, queda é de 4%
RECUPERAÇÃO? Cinco dos seis segmentos do setor apresentaram queda no volume. Apenas serviços...
Para Belluzzo e Delfim, política de ajuste de Temer é insana e Brasil voltou a ser colônia Para Belluzzo e Delfim, política de ajuste de Temer é insana e Brasil voltou a ser colônia
DESGOVERNO Em debate na USP, economistas avaliam conjuntura econômica do país, consideram "p...

Leia mais
×

×
CORREIO CAROS AMIGOS
powered by moosend