"Crise de 2008 foi causada não por falta, mas por overdose de lucro", diz biógrafo de Marx em SP

Economia
Typography

 

De acordo com o cientista político alemão Michael Heinrich, a crise de 2008 está enraizada no sucesso que o capitalismo teve nos anos anteriores

Do Opera Mundi

Para Michael Heinrich, cientista político e professor de economia da Universidade de Ciências Aplicadas de Berlim, a crise econômica mundial de 2008 está ligada ao êxito do sistema capitalista, e não à sua falência. Autor de “Karl Marx e o nascimento da sociedade moderna: biografia e evolução de suas obras”, que será lançado em 2018 pela editora Boitempo, Heinrich participou nessa terça-feira (6) da terceira edição do Salão do Livro Político, na PUC (Pontifícia Universidade Católica) de São Paulo.

Na minha opinião, a crise de 2008 está enraizada no sucesso que o capitalismo teve nos anos anteriores”, disse o professor, que também é colaborador na MEGA (Marx-Engels-Gesamtausgabe),instituição curadora dos manuscritos de Marx e Friedrich Engels.

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

Para ele, a explicação que mais se aproximaria da visão de seu biografado sobre a crise econômica mundial de 2008 seria o excesso de lucro: “A crise não foi causada por falta de lucro, mas sim por uma overdose de lucro. Essa visão geral se encaixa bem na visão de Marx”, afirmou durante o evento.

Questionado por Opera Mundi sobre sua visão da crise política brasileira, o professor afirmou que “até onde eu entendo, o Brasil tem um presidente não eleito pelo voto popular, implementando medidas neoliberais contrárias à maioria das pessoas”. Heinrich ainda comentou sobre a corrupção e os interesses no poder, dizendo que “de um lado você tem o problema da corrupção, que não é um problema especial do Brasil; do outro, as tentativas de uma classe conservadora buscando implementar um governo de seu interesse”.

Sobre a biografia do filósofo alemão, Heinrich disse que aborda não somente o desenvolvimento da obra de Marx, como também aspectos da vida pessoal dele. “Uma das coisas que aprendi no meu processo de pesquisa foi que você não pode separar vida e obra de um pensador como Marx”, afirmou.

Heinrich ainda destacou uma série de pontos na obra de Marx que foram revisados pela MEGA, como a publicação do primeiro volume do Capital em seis livros, quatro originais ainda publicados quando Marx era vivo e outras duas traduções inéditas em francês e em inglês, ambas controladas por Marx e Engels. A MEGA ainda oferece um suplemento chamado “Aparatos” que acompanha cada volume publicado e serve para indicar ao leitor todas as alterações que foram feitas no texto original.

Artigos Relacionados

China, Venezuela... Quem se afirma mais? Hegemonia do dólar pode estar com dias contados China, Venezuela... Quem se afirma mais? Hegemonia do dólar pode estar com dias contados
ECONOMIA O tempo do dólar como meio de pagamento universal parece está chegando ao fim....
IBGE: Serviços caem 0,8% em julho. No ano, queda é de 4% IBGE: Serviços caem 0,8% em julho. No ano, queda é de 4%
RECUPERAÇÃO? Cinco dos seis segmentos do setor apresentaram queda no volume. Apenas serviços...
Para Belluzzo e Delfim, política de ajuste de Temer é insana e Brasil voltou a ser colônia Para Belluzzo e Delfim, política de ajuste de Temer é insana e Brasil voltou a ser colônia
DESGOVERNO Em debate na USP, economistas avaliam conjuntura econômica do país, consideram "p...

Leia mais
×

×
CORREIO CAROS AMIGOS
powered by moosend