Mesmo com Selic menor, taxa real de juros segue "absurda" e inviabiliza retomada

Economia
Typography

Mesmo com Selic menor, taxa real de juros segue "absurda" e inviabiliza retomada

Por Tiago Pereira
Da Rede Brasil Atual

Apesar da redução de 1 ponto percentual na taxa básica de juros, com a decisão do Comitê de Política Monetária de fixar a Selic em 10,25% em reunião encerrada nesta quarta-feira (31), os juros reais seguem entre os mais altos do mundo, comprometendo a retomada da economia e prolongando os efeitos da crise. A taxa de juros real pode ser calculada dividindo a taxa de juros nominal (a Selic) pela inflação para o mesmo período. Com a prévia da inflação anualizada em 3,77% para maio –  de acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15), calculado pelo IBGE –, chega-se a uma taxa real de 6,24%. 

Alguns dados mostram o impacto de tal índice. De acordo com estudo do Center for Economic and Policy Research (CEPR), think tank dos Estados Unidos, o pagamento de juros da dívida pública, que tem boa parte do seu estoque vinculado à Selic, correspondeu a 7,6% do Produto Interno Bruto brasileiro em 2016, o quarto maior entre 183 países.

Leia mais:

Colômbia, do nascimento da guerrilha ao acordo de paz

Unicamp aprova cotas raciais para os cursos de graduação

PEC que permite eleições diretas é aprovada por unanimidade na CCJ do Senado

PUBLICIDADE

Alardeadas pela equipe econômica do governo Temer como um sinal de que a economia se recupera e deixa o auge da crise para trás, a queda na Selic está diretamente ligada à redução no índice de inflação que, por sua vez, cai devido à queda no poder de compra da população, uma das consequências da crise.

Para a economista Regina Camargo, mantidas as atuais diretrizes de política econômica, com taxa de juros real que classifica como "absurda", e que atende apenas aos interesses dos grandes bancos e do mercado financeiro, não há perspectiva de saída para a crise. 

Segundo Regina, da subseção do Dieese na Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), esses grupos econômicos aproveitam a elevada dívida pública, financiada em condições muito ruins, sempre no curto prazo, para lucrarem milhões em aplicações financeiras remuneradas com elevadas taxas de retorno, o que transforma o Brasil num verdadeiro "paraíso para o rentismo".

"Enquanto isso perdurar, enquanto se tiver uma parte da dívida pública atrelada à Selic, e isso for motivos de ganhos para um restrito setor rentista, que é quem hoje manda no país, que dita o timing e o conteúdo das reformas da Previdência e trabalhista, dificilmente vamos ter taxas civilizadas."

Ela afirma que essa visão "ultraliberal" da equipe equipe econômica que reflete o interesse desses grupos financeiros acaba por acarretar graves distorções na economia que impedem a retomada do crescimento. "Dificilmente a economia vai voltar a crescer. Quem é que vai tomar crédito? Até para pegar um empréstimo pequeno, a gente faz contas, imagina um empresário que precisa de volumes maiores de recursos."

O cenário, de acordo com Regina Camargo, pode se agravar mais com as mudanças anunciadas pelo governo, que pretende substituir a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) por uma nova fórmula que deve encarecer o crédito para a produção. A alteração consta na Medida Provisória (MP) 777, que tramita no Congresso Nacional.

A economista destaca que a queda na inflação comemorada pelo governo, que ensejou a redução na taxa Selic, se deu ao custo da extinção de milhões de empregos. Com as taxas recordes de desemprego, a massa salarial se reduz, retraindo o poder de compra da população. Sem poder de compra, os preços caem. 

"Essa é a fórmula que o governo encontrou de baixar a inflação: aumento dramático do desemprego e um choque recessivo brutal", afirmou Regina, para quem ainda não há qualquer sinal de que o pior da crise tenha ficado para trás. "Venceu-se o dragão da inflação a um custo altíssimo para o conjunto da sociedade e o sistema produtivo."

Por fim, ela explica que a atual política que privilegia os ganhos com a especulação financeira produz a concentração de renda. "Enquanto o rentismo dominar o comando da política econômica, dificilmente vamos ter crescimento com distribuição de renda, que melhore as condições de vida dos trabalhadores. Vamos ter, sim, aumento da concentração."

Artigos Relacionados

Temer quer cobrar BNDES, acabar com fundo soberano e abrir pré-sal Temer quer cobrar BNDES, acabar com fundo soberano e abrir pré-sal
ECONOMIA Temer diz que vai usar os recursos para abater a dívida pública que hoje equivale a...
Se aprofundar ajuste fiscal, Temer vai depreciar ainda mais a economia Se aprofundar ajuste fiscal, Temer vai depreciar ainda mais a economia
CRISE Economista Antonio Corrêa de Lacerda avalia que ajuste só pode se aprofundar depois que o pa...
"Cana é o 28° estado da federação. O mais rico, que manda no Brasil"
DOMÍNIO DO AGRONEGÓCIO Segundo Ângelo Cavalcante, professor de Economia na Universidade...

Leia mais

Correio Caros Amigos

 
powered by moosend
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
×
CORREIO CAROS AMIGOS
powered by moosend