A ocupação das escolas contada pelos alunos

Cultura
Typography

 

Obra aborda o movimento secundarista que tomou conta do País em 2016

Da Redação

O movimento de ocupação de escolas por alunos e contra a reforma do Ensino Médio, que atingiu mais de mil escolas no Paraná, é retratado no documentário Ocupa Tudo: Escolas Ocupadas no Paraná, dirigido por Carlos Pronzato e publicado esta semana Youtube. Por meio de relatos principalmente dos alunos, Pronzato mostra como se iniciaram as ocupações e os resultados do movimento no cotidiano e nas relações dos alunos que se envolveram nas ações. Os secundaristas começaram a ocupar suas escolas como forma de protesto a partir do conhecimento da experiência no Chile, que ficou conhecida como “Revolta dos Pinguins”. A primeira ocupação aconteceu em São Paulo e conseguiu evitar a implantação de mudanças propostas pelo governo do Estado.

No Paraná, no entanto, o movimento reagiu à proposta de reforma do governo federal e se espalhou por todo o País. A reforma do Ensino Médio acabou aprovada pelo Congresso e no último dia 11, técnicos das secretarias estaduais de educação se reuniram no Centro Paula Souza, na capital de São Paulo, para discutir a implantação do ensino em tempo integral, educação profissional e ensino médio regular, propostas pela reforma.

Leia mais:

Thiago de Mello: “Vivemos ocupação estrangeira”

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

Ilú Obá de Min: 12 anos de protagonismo das mulheres negras e exaltação da cultura afro

Mandando fascistas para o inferno: Perfil de Woody Guthrie

O encontro foi realizado pelo Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), em parceria com o Itaú BBA, por meio do Grupo de Trabalho do Ensino Médio, e deverá criar um plano de ação para implantação da nova linha “ainda no próximo mês”. Os técnicos estão esbarrando na formação dos professores que compõem o quadro funcional da educação pública, que não tem formação para educação profissionalizante, por exemplo, e na dificuldade de se entender a proposta de maneira geral.

O documentário de Pronzato, por meio da fala dos alunos e dos professores, mostra o que a comunidade escolar pensa sobre a proposta do governo Temer. O diretor explica que o filme é uma produção “coletiva, colaborativa e de natureza independente, viabilizada pelo envolvimento de sujeitos que estiveram na linha de frente do movimento”. Foi lançado em Curitiba em dezembro de 2016 e no Fórum Social Mundial em Porto Alegre no início deste ano.

Ficha Técnica

Ocupa Tudo: Escolas Ocupadas no Paraná
Direção, Produção e Roteiro: Carlos Pronzato
Edição: Renato Bazan
Finalização: Taynan de Carvalho
Produção Executiva: Valeria Arias, Giselle Schnorr, Carlos Mandacaru
Câmeras: Carlos Pronzato, Taynan de Carvalho, Bruna Kurzlop
Música: Mel da Mocidade gentilmente cedida por Chico César
Ano: 2016
Duração: 60 min

Artigos Relacionados

MG: ocupação artística reivindica fim da fratura entre trabalho intelectual e manual MG: ocupação artística reivindica fim da fratura entre trabalho intelectual e manual
RELAÇÕES "O que há em comum entre artistas plásticos e trabalhadores? É talvez, por não...
André Sturm é vaiado em abertura do Festival de Cinema Latino-Americano de SP André Sturm é vaiado em abertura do Festival de Cinema Latino-Americano de SP
GESTÃO DORIA Secretário municipal de Cultura foi convidado para discursar, mas ouviu um coro...
Após críticas e protestos, uma Flip mais diversa Após críticas e protestos, uma Flip mais diversa
LITERATURA Com centro na obra de Lima Barreto, 15ª edição da Festa Literária de Paraty...

Leia mais
×

×
CORREIO CAROS AMIGOS
powered by moosend