Cultura deve democratizar a relação com a cidade, diz Juca Ferreira

Cultura
Typography

 

"É obrigação saber que cultura é um direito de todos", diz ex-ministro

Por Rafaella Dotta
Do Brasil de Fato

A cultura de Belo Horizonte promete adotar nova política de incentivo, diálogo e gestão. Para o cargo de presidente da Fundação Municipal de Cultura acaba de ser nomeado o ex-ministro Juca Ferreira, que também deve chefiar a Secretaria Municipal de Cultura, em processo de aprovação na Câmara dos Vereadores. A classe artística de BH recebeu Juca com elogios. “É uma excelente escolha, pela trajetória, pelo pensamento”, publicou a vereadora e atriz Cida Falabella (PSol) em sua página no Facebook. Na entrevista, ele explica porque aceitou o convite do prefeito Alexandre Kalil e dá pistas sobre a linha cultural que pretende seguir em sua gestão.

Quais foram as suas experiências mais importantes na área de gestão pública de cultura?

Juca Ferreira - Desde que voltei ao Brasil em 1980 tenho trabalhado com gestão cultural, projetos ambientais e sociais. Às vezes combinando essas dimensões em um mesmo projeto. Durante muito tempo atuei no terceiro setor junto a grupos culturais. Fui assessor da Fundação Cultural do Estado da Bahia, trabalhei no Projeto Axé voltado para crianças e adolescentes que viviam na rua, trabalhei com Gilberto Gil na Fundação OndAzul, uma ONG voltada para o meio ambiente e que tinha a cultura como instrumento para mudança. Fui Ministro da Cultura do Brasil duas vezes e secretário de Cultura da cidade de São Paulo. Entre 2010 e 2012 fui embaixador especial da Secretaria Geral Ibero Americana.

Como Kalil chegou até você? E por que aceitou o seu convite?

Quem melhor pode responder como o prefeito chegou até mim é o próprio prefeito. Soube de várias movimentações na área cultural e artística da cidade sugerindo meu nome. Aceitei porque acho que posso fazer um bom trabalho e que posso contribuir para o desenvolvimento cultural de BH. Como aceitei ser secretário de SP. Chego com a mesma humildade que tive para fazer meus trabalhos anteriores. 

O fato de não ser morador de BH pode tornar mais difícil a gestão à frente da Secretaria Municipal de Cultura? 

Nem um pouco. Conheço a vida e a cena cultural de BH. Como ministro estabeleci uma boa relação com artistas, gestores e ativistas culturais e vim muitas vezes debater, conhecer as demandas e necessidades culturais de Minas e de BH. 

Hoje, a cultura de BH tem apenas 1% do orçamento municipal. Uma reclamação constante dos artistas e produtores belo horizontinos. É possível fazer uma boa gestão com esta verba?

PUBLICIDADE

Já me manifestei sobre essa questão nas conversas que tive com o prefeito e seus assessores. É preciso ter um cuidado e uma atenção especial nesta questão dos recursos. Um mínimo de recursos é necessário para trabalhar. Sem os meios e os recursos fica muito difícil fazer.

Além da quantidade de investimento, há muitos questionamentos sobre a forma de distribuição dos recursos. A classe artística critica uma maior valorização de 'grandes shows´ em detrimento do apoio aos muitos grupos e produções locais. Qual política cultural podemos esperar de Juca?

Sempre que não se tem uma política cultural desenvolvida os "eventos" tomam conta do orçamento. 

O que seria “cultura social”, a que o prefeito Kalil se referiu ao anunciar sua nomeação? (“Ele, praticamente, é o inventor da cultura social no Brasil”, Kalil.)

Na conversa que tivemos ele insistiu que a secretaria deve democratizar de fato a relação com a cidade e com as muitas culturas e manifestações de BH e que temos obrigação de dar uma atenção a todos os setores sociais e compreender que cultura é um direito de todos. 

Conversamos também do importante papel que a cultura pode ter em uma sociedade desigual como a nossa para incluir a todos. Ele me passou a impressão que é muito comprometido com a população excluída que vive nas favelas, periferias e bairros pobres da cidade. É preciso ressaltar o esforço do prefeito em valorizar a cultura ao recriar a Secretaria Municipal e ele tem dado mostras que está buscando acertar. 

Vivemos um período de retrocessos em termos de direitos, como a cultura é impactada nesse cenário? 

A primeira medida dos que se instalaram no governo em Brasília depois de afastarem a presidenta democraticamente eleita foi tentar extinguir o Ministério da Cultura. Houve uma reação muito grande dos artistas e dos que fazem cultura em todo o Brasil e essa reação garantiu a continuidade do MinC. Agora estão desmontando por dentro as políticas e as estruturas da instituição. Em vários estados e municípios vemos o mesmo movimento de demolição. 

Como você vê a participação de artistas no movimento pelas Diretas Já? 

Saudável. Necessário é incontornável. Cultura e arte não combinam com golpe, tirania e autoritarismo.

 

 

Artigos Relacionados

Antropóloga Betty Mindlin mergulha na cultura indígena em novo livro Antropóloga Betty Mindlin mergulha na cultura indígena em novo livro
DESPIDAS E VESTIDAS Obra reúne histórias que viveu ao lado de várias tribos no Mato Grosso e Amaz...
Bloco afro Ilê Aiyê completa 44 anos e faz campanha para manter projetos educacionais Bloco afro Ilê Aiyê completa 44 anos e faz campanha para manter projetos educacionais
CAMPANHA A entidade organiza arrecadação de fundos para as escolas Mãe Hilda e Band'Erê,...
Colunista de Caros Amigos ganha Prêmio Jabuti na categoria ilustração Colunista de Caros Amigos ganha Prêmio Jabuti na categoria ilustração
HOMENAGEM A obra Knispel: Retrospectiva 1950-2015, ilustrada por Gershon Knispel, ficou em primeiro...

Leia mais

Correio Caros Amigos

 
powered by moosend
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
×
CORREIO CAROS AMIGOS
powered by moosend