Previdência: novo projeto preserva privilégios de parlamentares

Cotidiano
Typography

 

A base de Temer recuou em cinco pontos da proposta original e buscou agradar os parlamentares

Da Carta Capital 

om o objetivo de garantir a aprovação da reforma da Previdência, o governo aceitou recuar em cinco itens da proposta, ao flexibilizar as regras de transição e propor um regime mais brando para trabalhadores rurais. Nas novas regras apresentadas nesta terça-feira 18 por Maia em um café da manhã com a base aliada de Temer, homens e mulheres terão de contribuir 40 anos, até 65 e 62 anos, respectivamente, para ter acesso à aposentadoria

O novo projeto não deixou, porém, de lado as preocupações corporativistas. Com a crescente insatisfação dos parlamentares com o projeto, Maia incluiu no texto uma salvaguarda aos atuais deputados e senadores, que poderão manter regras facilitadas de acesso à Previdência. Atualmente, o Plano de Seguridade Social dos Congressistas (PSSC) impõe uma idade mínima de 60 anos e 35 anos de contribuição para os parlamentares obterem a aposentadoria integral.

Leia mais:

Jornada Nacional de Luta pela Reforma Agrária marca 21 anos do Massacre de Eldorado dos Carajás

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

Papa Francisco envia carta a Temer e recusa convite para visitar Brasil

Após três anos, qual o legado da Operação Lava Jato para o Brasil?

No texto original da Proposta de Emenda à Constituição 287, relativa à reforma da Previdência, os parlamentares passariam a ser incluídos no regime geral e seguiriam as regras do restante da população: idade mínima de 65 anos e um mínimo de 25 anos de contribuição para ter acesso ao benefício parcial. No texto inicial, ficou prevista a aplicação de imediato do regime geral "aos titulares de novos mandatos eletivos", mas nada constava sobre a situação de quem já estava contemplado pelo regime especial dos parlamentares.

No texto reformulado por Maia e apresentado à base de Temer, a aplicação do regime geral só ocorrerá caso os parlamentares já não sejam vinculados ao regime de previdência parlamentar da casa para a qual se reelegeram.

A proposta de preservar os atuais deputados havia sido apresentada por emenda pelo deputado Carlos Eduardo Cadoca (PDT-PE) à comissão que tratava do tema. Em sua justificativa, o parlamentar argumentou que o projeto limitava-se a "a estabelecer o regime geral de previdência social para os titulares de mandato eletivo que fossem diplomados a partir da sua promulgação", mas "remeteu à legislação infraconstitucional as regras de transição para os atuais mandatários.

"Não nos parece a melhor alternativa, uma vez que se deve respeitar o direito daqueles que já ingressaram no sistema e cumpriram com suas obrigações financeiras no tempo correto", assinalou Cadoca em sua emenda.  

No substitutivo de Maia, prevê-se a aposentadoria de parlamentares federais aos 60 anos de idade, aumentados em um ano a cada dois anos a partir de janeiro de 2020, e da manutenção dos 35 anos de contribuição para a aposentadoria integral, desde que o parlamentar contribua por 30% do tempo que lhe restava para se aposentar.

Artigos Relacionados

Não existe revolução sem combate ao racismo, segundo professor pan-africanista Não existe revolução sem combate ao racismo, segundo professor pan-africanista
ENTREVISTA Pan-africanismo tem como objetivo a emancipação das populações negras e é...
"Queremos nosso direito à moradia. E queremos pagar pela nossa casa"
SEM MEDO, COM ESPERANÇA Desemprego empurra 7 mil famílias para ocupação Povo sem Medo, em S...
"A Eletrobras é sustentável e tem papel fundamental para o País"
ENTREVISTA Privatizar a Eletrobras é destruir um sistema viável e benéfico à sociedade,...

Leia mais
×

×
CORREIO CAROS AMIGOS
powered by moosend