Estados do Norte têm taxa de mortalidade infantil acima da média nacional

Cotidiano
Typography

Enquanto a taxa média nacional de mortalidade infantil é de 12%, Roraima possui índice de 20%

Por Karine Costa
Do Brasil de Fato

A taxa de mortalidade infantil em estados do Norte do País está acima da média nacional. É o que mostra o estudo “Cadê? Brasil – Crianças e Adolescentes em Dados e Estatísticas”, que traz as informações com foco na primeira infância.

Enquanto a taxa média nacional de mortalidade infantil é de 12%, Roraima aparece em primeiro lugar no ranking, com índice de 20%.  A cada 1.000 bebês nascidos vivos, 20 morrem durante o primeiro ano de vida no estado.

Amapá vem logo depois, com 18%. Em seguida vem o Acre, com 16%;  Amazonas e Pará, com 15%, e Rondônia, com 14%.

A coordenadora do estudo, Milda Moraes, considera os números preocupantes.

"Te possibilita perceber como é que está a situação da criança e do adolescente em relação à educação, à saúde."

Outro dado que aparece na pesquisa é a proporção de crianças menores de 5 anos, com peso abaixo do ideal, em 2015. Mais uma vez estados da Amazônia Legal têm um desempenho negativo.

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

Leia mais:

Marcia Tiburi: A política do terror

Eleonora Menicucci: Feminismo de classe

Mulheres ao redor do mundo organizam greve no 8 de março

No Brasil, 134 mil crianças apresentaram magreza acentuada. Dessas, 11,4 mil e são do Maranhão e cerca de 9 mil, do Pará. Milda Moraes destaca outros índices.

"O Pará está entre os 4 estados que têm o maior índice de mortalidade infantil de filhos de mães adolescentes. A taxa brasileira de incidência de AIDS em crianças menores de 5 anos, para cada 100 mil habitantes, 1 tinha AIDS. Quando a gente pera Roraima, a taxa é de 4.3, é quase 4 vezes maior do que a taxa nacional."

O relatório foi realizado pelo Instituto Marista Assistência Social, com dados do Instito Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e de órgãos oficias, como o Ministério da Saúde e o da Educação.

Artigos Relacionados

"Encontramos doentes mentais na mesma cela que presos comuns", conta juiz
EM RORAIMA Magistrado que participou de mutirão carcerário do CNJ diz que sugestões feitas h...
Bibliotecária cria livraria especializada em protagonismo feminino negro Bibliotecária cria livraria especializada em protagonismo feminino negro
GÊNERO E RAÇA Loja virtual e itinerante Africanidades, de Ketty Valêncio, amplia acesso à...
Não existe revolução sem combate ao racismo, segundo professor pan-africanista Não existe revolução sem combate ao racismo, segundo professor pan-africanista
ENTREVISTA Pan-africanismo tem como objetivo a emancipação das populações negras e é...

Leia mais
×

×
CORREIO CAROS AMIGOS
powered by moosend