2017 - 100 anos da greve geral no Brasil

Cotidiano
Typography

1917 foi um marco do movimento operário no País.O movimento operário mostrou como suas organizações  podiam lutar e defender os direitos da classe trabalhadora com forte impacto na economia e na sociedade

Do Pravda

A Greve Geral de 1917 ficou conhecida em todo o País pela paralisação da indústria e do comércio que aconteceu em julho daquele ano. O movimento surgiu como resultado de diversas organizações operárias. Esta mobilização foi uma das mais abrangentes e longas da história do Brasil, durou mais de um mês.

O movimento operário mostrou como suas organizações (Sindicatos e Federações) podiam lutar e defender os direitos da classe trabalhadora com forte impacto na economia e na sociedade. A industrialização fez surgir no Brasil um novo perfil social: O operário fabril. O movimento teve início ainda no final do século 19.

Leia mais:

O direito e a teimosia de sonhar: janeiro celebra a memória de Martin-Luther King

A arte de morrer

Moscou nega ter "informações comprometedoras" sobre Trump

Em decorrência da Primeira Grande Guerra Mundial, o País passou a exportar grande parte dos alimentos produzidos. A partir de 1915 as exportações afetaram o abastecimento interno de alimentos, causando elevação dos preços dos poucos produtos disponíveis no mercado. Embora o salário subisse, o custo de vida aumentava de forma desproporcional, deixando os trabalhadores em péssimas condições para sustentar suas famílias e fazendo com que mulheres e crianças precisassem trabalhar para complementar a renda doméstica. A jornada de trabalho era cruel, de 12 a 14 horas por dia, de segunda a sábado.

A maioria dos trabalhadores era composta por imigrantes italianos e espanhóis com um histórico de "organização política" em seus países de origem, o que fortaleceu muito a conscientização e a força do movimento grevista. Os trabalhadores exigiam aumento de salário.

O comércio fechou, os transportes pararam e o governo não conseguiu dominar o movimento pela força.

As reivindicações eram:

  • Liberdade às pessoas detidas por conta da greve;
  • Respeito ao direito das associações e sindicatos dos trabalhadores;
  • Que nenhum operário fosse demitido por participar do movimento grevista;
  • Fim da exploração do trabalho de menores de 14 anos;
  • Proibição do trabalho noturno para menores de 18 anos;
  • Proibição do trabalho noturno para mulheres;

• Aumento de 35% nos salários inferiores a $5000 (cinco mil réis) e de 25% para os mais elevados;
• Data certa para o pagamento dos salários, a cada 15 dias, o mais tardar, cinco dias após o vencimento;

  • Garantia de trabalho permanente;
  • Jornada de oito horas e semana de trabalho de cinco dias;

• Pagamento de 50% em todo o trabalho extraordinário (horas extras).

Imprensa Alternativa: apoio ao movimento!
Considerado o quarto poder, a imprensa sempre teve papel de destaque nos acontecimentos de cunho social e político no País. Apesar da ética de imparcialidade, os meios de comunicação, em sua maioria, estão aliados ao poder, de direita ou de esquerda, tomando partido, ainda que neguem suas posições políticas.

PUBLICIDADE

No caso da greve geral de 1917 não foi diferente. Os principais periódicos da época assumiram a posição governista contra os trabalhadores. A burguesia detentora dos meios de comunicação e aliada aos políticos trabalharam em defesa dos supostos "interesses do estado".

Mas felizmente na contramão das notícias oficiais e oficiosas, aparece a "imprensa alternativa" dando vez e voz aos agentes transformadores sociais que lutaram contra a exploração do capital humano e social, em defesa dos direitos dos trabalhadores e da instauração da democracia.

Entre os jornais podemos destacar: "A Plebe" (língua portuguesa) e o "Guerra Sociale" (língua italiana), direcionado aos imigrantes italianos que ainda não dominavam o idioma. Estas duas publicações foram de fundamental importância para o sucesso do movimento operário no Brasil, ainda que a repressão do governo tenha sido uma das mais violentas da história.

Além de divulgar os reais fatos da época, esses jornais tinham fundamental importância na conscientização da militância e no fortalecimento das diversas propostas apresentadas dentro de um contexto internacional que influenciava o movimento operário e revolucionário no País: A Primeira Guerra Mundial e a Revolução Russa, além da união de diversas tendências políticas e dos grupos anarquistas, a chamada "Aliança Anarquista".

A Plebe

Jornal anarquista e anticlerical lançado na cidade de São Paulo em 1917. Sob o comando de Edgard Leuenroth, o jornal foi lançado no contexto da Primeira Guerra Mundial e da desestabilização dos salários e da vida dos trabalhadores. O periódico sofreu várias intervenções e fechamento, devido aos seus polêmicos artigos e contexto proletariado de esquerda. O jornal foi extinto definitivamente em 1951, sendo mais uma vez reprimido pelo Estado.

Guerra Sociale

O jornal teve uma breve experiência de um pouco mais de dois anos (1917 - 1920) e dificuldade de se manter pela constante repressão e empecilhos para conseguir contribuições financeiras. No entanto, alguns de seus redatores deixaram também suas contribuições e experiências organizativas em outros órgãos.

Conclusão das paralisações

Os patrões deram um aumento imediato de salário, de 15 a 30% e prometeram estudar as demais exigências, sendo algumas conquistadas com o passar dos anos, com o fortalecimento dos trabalhadores e dos movimentos sindicais, outras no entanto, só foram aplicadas com a promulgação da CLT em 1943 pelo então presidente Getúlio Vargas. Mas a grande vitória da "greve geral de 1917" foi o reconhecimento do movimento operário como instância legítima, obrigando os patrões a negociar com os trabalhadores.


A Caros Amigos produziu uma coletânea em 12 fascículos relatando algumas das principais Revoltas Populares brasileiras. A história brasileira é marcada por uma revolta incessante multifacetada e não linear travada pelos povos originários, pelos negros trazidos à força da África, pelos trabalhadores e trabalhadoras, por homens e mulheres jovens e idosos que, ao longo dos séculos, vêem seus direitos e sua dignidade sistematicamente negados e aviltados por uma elite reacionária e preconceituosa. O fascículo três dessa coletânea faz um relato sobre a Greve Geral de 1917, ouvindo professores, intelectuais e militantes representativos das mais diversas tendências e convicções da esquerda. 

Revoltas Populares no Brasil - Coleção Encadernada

Revoltas Populares no Brasil - Fasc. nº 3 - Greve Geral 1917 e Jornadas de Junho 2013

Artigos Relacionados

PGR ainda não iniciou investigação de propina da Odebrecht para Alckmin PGR ainda não iniciou investigação de propina da Odebrecht para Alckmin
SELETIVIDADE Delações foram tornadas públicas em abril. Sete meses depois, procuradoria não...
Até o Dia da Consciência Negra, Temer usou apenas 6% da verba para igualdade racial Até o Dia da Consciência Negra, Temer usou apenas 6% da verba para igualdade racial
RACISMO INSTITUCIONAL Com orçamento de R$ 22 milhões, somente R$ 1,4 milhão foi gasto em...
Há um esvaziamento do sentido dos direitos, alerta Pedro Serrano Há um esvaziamento do sentido dos direitos, alerta Pedro Serrano
REFORMA DO ESTADO Professor de Direito Constitucional nota aumento de “medidas de exceção...

Leia mais

Correio Caros Amigos

 
powered by moosend
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
×
CORREIO CAROS AMIGOS
powered by moosend