Parente veste a carapuça ao fugir da CPI da Petrobrás

Cotidiano
Typography

Parente veste a carapuça ao fugir da CPI da Petrobrás

Por Rogerio Lessa
Da AEPET - no Carta Maior

Convidado a comparecer à CPI da Petrobrás, em andamento na Assembleia Legislativa do RJ (Alerj) e presidida pelo deputado Paulo Ramos (PSol-RJ), o presidente da Petrobrás, Pedro Parente, deixou uma impressão ruim, como se tivesse algo a esconder. Para não comparecer nem fornecer documentos sobre vendas de ativos, entrou na Justiça e conseguiu uma liminar, através da Juíza Mirela Erbisti, da 3ª Vara da Fazenda Pública do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

Em vista disso, o presidente da CPI, Paulo Ramos, declarou: “CPI não é audiência pública, nem um seminário. É um órgão investigativo. A Petrobrás é a maior empresa do País, e seu presidente deveria ser o primeiro a fornecer informações para a população brasileira. Quando se nega a fazer isso, deixa a impressão de que tem algo a esconder”, disse o deputado, alertando que, a partir dessa negativa, que gera suspeitas, “as pessoas gentilmente convidadas podem se transformar em investigáveis”.

Leia mais:

PUBLICIDADE

Parlamentarismo no Brasil é instrumento de golpe, dizem cientistas políticos

"Meu maior título é ver cada vitória do povo", diz Lula sobre Honoris Causa

Assembleia Constituinte da Venezuela decide assumir parte das funções do Poder Legislativo

Já o vice-presidente da AEPET, Fernando Siqueira, considera que a sentença da juíza se baseou em algumas falácias e que, portanto, ela foi induzida ao erro. “A petição diz que a CPI iria apurar ‘o que, jocosamente, se denominou desmonte da Petrobrás’. Seria jocoso aceitar a venda da malha de gasodutos que transporta o gás do pré-sal para uma empresa que deu um tombo no governo brasileiro ao vender a Light e Eletropaulo no último ano da concessão?; Seria jocoso aceitar a venda de Carcará, o melhor campo do pré-sal, que tendo três poços perfurados e uma reserva de 3 bilhões de barris, teve 66% (aproximadamente 2 bilhões de barris) vendidos por US$ 2,5 bilhões?", indaga.

Vale lembrar que a Petrobrás pagou ao governo US$ 8,50 por barril nos campos da cessão onerosa, sem ter nenhum poço perfurado. Carcará, com três poços perfurados, valeria, no mínimo US$ 9 por barril, cerca de US$ 27 bilhões. Carcará tem uma pressão maior que os demais campos, gerando uma economia fantástica na recuperação secundária. Significa que foi vendido por ser bom demais, conforme afirmou o geólogo Luciano Chagas em entrevista ao AEPETV (clique aqui para assistir).

A petição da Petrobrás também diz que a dívida bruta da Companhia é de R$ 400 bilhões. Siqueira pondera que este valor existia quando o dólar estava cotado a R$ 4. Logo depois da posse de Parente, o dólar caiu para R$ 3,20, e a dívida caiu para R$ 320 bilhões. A Petrobrás tem em caixa, em média, US$ 22 bilhões, portanto, a dívida líquida, no início da gestão Parente, era de US$ 78 bilhões, que, transformados para reais, correspondiam, na verdade, a R$ 249 bilhões.

“Recentemente, o próprio o presidente Parente declarou que dívida bruta teria caído para US$ 89 bilhões, que, abatidos os US$ 22 bilhões em caixa, resultaria numa dívida líquida US$ 67 bilhões ou R$ 214 bilhões. Ou seja, praticamente metade da dívida declarada na petição”, contabiliza.

Siqueira ressalta também que o senhor Parente, ao assumir, declarou que precisava de US$ 21 bilhões para tocar o plano de negócios. “Mas, apenas com a desvalorização do dólar, ganhou de presente US$ 25 bilhões. Por que continuar vendendo ativos?”.

O vice-presidente da AEPET lembra ainda que o diretor financeiro Ivan Monteiro foi ao exterior tomar empréstimo de US$ 2 bilhões e voltou com US$ 4 bilhões, a juros bem abaixo das taxas de mercado, mostrando que quem tem as reservas do pré-sal já descobertas tem crédito fácil e barato no mercado internacional.

Outro fato relevante é que o BNDES devolveu ao governo, intempestivamente, R$ 100 bilhões por falta de tomador. "Por que a Petrobrás não cogitou desse dinheiro?”, indaga Siqueira.

Outra falácia da petição: “para viabilizar os investimentos até 2021, o desinvestimento é essencial”. Os fatos acima mostram que isto não é verdade.

Artigos Relacionados

Sucateamento de universidades públicas no Brasil é parte de plano para privatizá-las Sucateamento de universidades públicas no Brasil é parte de plano para privatizá-las
EDUCAÇÃO Processo de desgaste do ensino superior no País seria etapa do projeto de Temer de...
Como a Reforma da Previdência atinge os mais pobres Como a Reforma da Previdência atinge os mais pobres
RETROCESSO Sem conseguir obter maioria qualificada para votar proposta na Câmara, governo...
Políticas de Temer atrasam o país e ampliam desigualdades, diz estudo Políticas de Temer atrasam o país e ampliam desigualdades, diz estudo
PREOCUPANTE De acordo com relatório da Oxfam, Brasil caminha para ser ainda mais desigual. A...

Leia mais

Correio Caros Amigos

 
powered by moosend
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade