SP: Pastoral pede que MP apure suicídios em presídio feminino

Cotidiano
Typography

Para entidade, o número de mortes em um curto espaço de tempo pode significar uma tendência epidêmica e omissão estatal

Da Redação

Em ofício enviado ao Ministério Público do Estado de São Paulo nesta quarta-feira (16), a Pastoral Carcerária (PCr) pede que sejam apurados suicídios em série e possíveis violações de direitos humanos na Penitenciária Feminina de Santana. Durante visitas, a entidade recebeu sucessivos relatos de suicídio entre a população prisional da unidade. Segundo a Pastoral, quatro presas teriam se suicidaram no mês de julho e na primeira semana de agosto.

Além da apuração das mortes, o documento, também enviado à Defensoria Pública do Estado de São Paulo e ao Conselho Regional de Psicologia, pede a apresentação de laudos periciais dos corpos e dos locais onde ocorreram os suicídios assim como a realização de inspeção das celas. O ofício ainda pede a busca e atendimento dos familiares das presas e a proposição de ação indenizatória como forma de reparação e responsabilidade estatal, já que a maioria dos familiares desconhece a possibilidade da ação jurídica.

Leia mais:

Suicídio e negligência do Estado

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

Mulheres presas sofrem ainda mais com violação de direitos

Entidades denunciam Brasil na OEA por violações de direitos humanos

Para a Pastoral, o número de mortes em um curto espaço de tempo pode significar uma tendência epidêmica, além de uma omissão estatal em relação aos cuidados com a saúde física e psíquica das presas. "Cumpre ressaltar que violações sistemáticas de direitos, cumulada com violências e ameaças cotidianas por parte de agentes do Estado e/ou grupos rivais de presos, pode potencializar sobremaneira os efeitos intrinsecamente deletérios do encarceramento e levar pessoas privadas de liberdade ao limite extremo do suicídio”, diz trecho do ofício.

A entidade ressalta que problemas estruturais relacionados à Penitenciária Feminina de Santana foram detalhadamente documentados pelo Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura, que em outubro de 2015 registrou denúncias de possíveis práticas de tortura envolvendo o Grupo de Intervenção Rápida (GIR). Na ocasião, também foram denunciados castigos arbitrários, atendimento de saúde precário, deficiências estruturais, problemas com a alimentação, entre outras questões. “Deve ser questionado e averiguado se as presas em questão estavam recebendo a devida atenção psicológica por parte da unidade, se estavam em celas adequadas, se foram tomadas medidas suficientes para garantir sua integridade física, e se foram atendidas de forma célere após atentarem contra a própria vida”, pontua o texto.

 

Artigos Relacionados

Coletivos LGBT protestam em SP contra decisão sobre Coletivos LGBT protestam em SP contra decisão sobre "cura gay"
NÃO À HOMOFOBIA Ato na Avenida Paulista foi uma resposta à liminar que abre caminho para a...
Juristas debatem criação de frente contra conservadorismo no sistema de justiça Juristas debatem criação de frente contra conservadorismo no sistema de justiça
ARTICULAÇÃO Profissionais do Direito estudam criar uma associação de caráter nacional para...
Julgamento de policial que matou sem terra ressuscita velhos discursos contra o MST Julgamento de policial que matou sem terra ressuscita velhos discursos contra o MST
JUSTIÇA Militantes do MST organizaram vigília em frente ao Fórum Central de Porto Alegre...

Leia mais
×

×
CORREIO CAROS AMIGOS
powered by moosend