Parada do Orgulho LGBT marcha contra intolerância religiosa em São Paulo

Cotidiano
Typography

 

Jovens e adolescente, em busca das apresentações musicais de Daniela Mercury, Anitta e Pabllo Vittar, formam a maioria do público da Parada LGBT

Por Rute Pina
Do Brasil de Fato

"Eu sou espírita, kardecista. A minha filha gosta mais de ir para a umbanda, e meu marido é católico. E todo mundo se dá bem casa. Todo mundo tem o direito de escolher o que quer e o com que se identifica", disse Alessandra Patrícia da Silva, que é integrante do coletivo Mães pela Diversidade.

Ela participa da Parada LGBT desde 2013, quando sua filha, de 20 anos, contou para a família que é lésbica. Alessandra auxiliou, pela primeira vez, um dos 19 trios elétricos da 21ª edição da Parada do Orgulho LGBT, realizada neste domingo (18), em São Paulo (SP).

Este ano, o evento trouxe como tema o respeito à diversidade religiosa e críticas ao fundamentalismo religioso e as intervenções da bancada evangélica no Congresso Nacional. A estimativa dos organizadores é de que três milhões de pessoas tenham participado do evento.

Leia mais:

Caminhada de Mulheres Lésbicas e Bissexuais denuncia invisibilidade

Uma gangue deu o golpe, assalta o Estado e o coloca a serviço do 1% mais rico

Região da Luz em disputa: mapeamento dos processos em curso

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

 No carro à frente da marcha, a organização da Parada LGBT, que levou milhares à Avenida Paulista, reuniu líderes religiosos da Igreja Batista, de religiões de matriz africana e do judaísmo com o slogan "Independente de nossas crenças, nenhuma religião é lei. Todos e todas por um estado laico".

Uma pesquisa feita na edição de 2016 pelo coletivo Vote LGBT, em parceria com pesquisadores da USP, Unifesp e Cebrap, revelou que quase metade do público do evento — que ocorre três dias após a Marcha para Jesus — é formada por cristãos: católicos, evangélicos e kardecistas somam 45,7% da Parada.

O líder do movimento Jesus Cura a Homofobia, Marco Oliveira, pediu perdão à comunidade LGBT "por todas as mazelas que a igreja evangélica fez durante todos esses anos". "Eu quero deixar bem claro que [Silas] Malafaia, [Marco] Feliciano e tantos outros não representam todos os evangélicos do Brasil que apoiam, sim, que toda forma de amor é abençoada por Deus", disse o pastor batista no carro de som.

Para a baiana Thaís Lima da Silva, o tema sobre a laicidade do Estado deste ano é importante. "Eu sou católica e acredito muito em Deus. Deus é maravilhoso com todos nós", disse. "O estado laico é a religião para todos", completou ela.

Thaís integra o programa municipal Transcidadania e apoia um projeto de prevenção às Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs) e ao HIV para profissionais do sexo. Para ela, o evento é a celebração de um ano inteiro de militância: "A gente discute sobre preconceito, sobre emprego e saúde o ano inteiro. A gente tira um dia do ano para celebrar e mostrar para a sociedade que a gente existe".

Público

Jovens e adolescente, em busca das apresentações musicais de Daniela Mercury, Anitta e Pabllo Vittar, formam a maioria do público da Parada LGBT. Mas, além dos shows e clima de micareta, muitos aproveitaram o momento para se pronunciar em defesa das eleições diretas para a Presidência e gritar pelo "Fora, Temer".

Marcos Freire, coordenador do coletivo LGBT da Central Única dos Trabalhadores (CUT), pontua a importância dos movimentos populares participarem da marcha. Para ele, o dia não é apenas festa. "É um dia de comemorar nossa visibilidade e nossa existência, e mostrar que estamos em todas as áreas, inclusive no mercado de trabalho. Nosso papel é lutar por direitos, mas nosso trabalho é o ano inteiro, para que a gente possa diminuir a violência, a discriminação social contra a população LGBT", afirmou.

É o que também pontua Alessandra, do coletivo Mães pela Diversidade. "Às vezes as pessoas dizem que o evento é só o fervo, só a bagunça, mas eu acho que não. Toda essa visibilidade, as pessoas se expondo e se assumindo, colocando a cara para bater no sol é muito importante", disse. O coletivo dá apoio jurídico e psicológico a familiares de gays, lésbicas, bissexuais, transexuais e travestis.

Artigos Relacionados

Brasil, Argentina e Paraguai criaram tríplice aliança contra a Venezuela, diz Maduro Brasil, Argentina e Paraguai criaram tríplice aliança contra a Venezuela, diz Maduro
BLOQUEIO Em coletiva, o presidente disse estar aberto ao diálogo com os mandatários dos paí...
STF julga nesta quarta a ilegalidade da MP do Ensino Médio STF julga nesta quarta a ilegalidade da MP do Ensino Médio
EDUCAÇÃO Educadores, estudantes, pais, brasileiros preocupados com os destinos da Educação...
Controle de emissoras de rádio favorece políticos, indica pesquisa Controle de emissoras de rádio favorece políticos, indica pesquisa
PREFEITO FM Em todo o País, quase 100 prefeituras são comandadas por donos de rádio locais.&...

Leia mais

Correio Caros Amigos

 
powered by moosend
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
×

×
CORREIO CAROS AMIGOS
powered by moosend