Sobre a vontade de mudar o mundo e o pessimismo do acomodado

Jean de Menezes
Typography

 

Sobre a vontade de mudar o mundo e o pessimismo do acomodado ou não me obriguem a comer o farelo da burguesia!

Por Jean Paulo Pereira de Menezes

O tema de nossas palavras neste artigo é antigo e vivo. A vontade de mudar o mundo não morreu e é atual. Todavia, as pessoas que possuem esta vontade são constantemente interpeladas pelo pessimismo do acomodado. Quando digo, pessoas, não faço esquecendo as classes sociais que estas pertencem, pois as classes sociais como categorias históricas, defendo, são altamente qualificadas para entendermos nosso tempo presente. E penso classes de acordo com Marx, predominantemente duas: burgueses e proletários.

Há 20 anos sou professor de História, lecionando também Filosofia, Geografia, Sociologia, Política, Metodologia entre outras disciplinas das ciência humanas. Durante este tempo não faltaram embates (interno e externos), crises e pessimismos. Ao lado destes desafios, a vontade de mudar o mundo, o otimismo e o sangue nos olhos são permanentes. E fazemos isso melhor quando organizados politicamente, Lenin nos lembra desta necessidade diante da luta.Muitas vezes observamos como a juventude é obliterada com o pessimismo dos acomodados e acovardados. Não foram poucas cenas de desencorajamento, de “conselhos” de água gelada nos sonhos em chamas dos mais novos que pude presenciar (nuca passivamente).

Leia mais:

"E se nada der certo?"

Qual o problema chamar de "Diretas já" e não mais "greve geral"?

É preciso reafirmar a esquerda revolucionária

PUBLICIDADE

É possível sustentar que o pessimismo do acomodado é uma ferramenta para construir, reproduzir a “raça” de derrotados, a perpetuação de uma nova safra de desiludidos e retumbantes ovelhas que ficam imóveis para a tosa do capitalismo.
A vontade de mudar o mundo incomoda absurdamente os acomodados. A obstinação daqueles que se movimentam é o soco no estômago do organismo que vê o mundo como imutável, lento e sem saídas, como se apenas restasse se acomodar, escolhendo o mal menor. Mas se observarmos mais de perto veremos que o acomodado não está tão imóvel assim. Ele conspira constantemente para conquistar novos seguidores… como se fosse um tipo de militante trabalhando para conseguir ovelhas com o fito de um dia os substituírem. Para isso é preciso negar as possibilidades de transformação da vida, é necessário fazer da obstinação algo ridículo e desnecessário.

Mudar o mundo, para o pessimista acomodado, seria investir em algo impossível, pois o capitalismo seria o melhor dos mundos possíveis, de resto, fica os desejos fantasiosos. Assim, na melhor das hipóteses, se trataria de se acomodar diante da realidade imposta e se adaptar e ter a vida que dá para ter. Este comportamento é patético! A vontade de mudar o mundo não comparece por uma vontade espontânea, genética do ser social. A vontade de mudar o mundo que faz milhares de seres humanos lutarem por uma outra sociabilidade é resultado de relações históricas. Mudar o mundo… querer mudar o mundo é tomar um posicionamento diante do pessimismo do covarde.

"Observar milhares de pessoas reproduzindo a riqueza para uma minoria e se acomodar diante da realidade gritante é no mínimo conivência com o que há de pior na história, seja em qualquer parte do mundo. Se posicionar diante do mundo injusto e querer transformá-lo não deveria incomodar tanto aqueles que se dizem desacreditados e não possuírem tempo para utopias"

Observar milhares de pessoas reproduzindo a riqueza para uma minoria e se acomodar diante da realidade gritante é no mínimo conivência com o que há de pior na história, seja em qualquer parte do mundo. Se posicionar diante do mundo injusto e querer transformá-lo não deveria incomodar tanto aqueles que se dizem desacreditados e não possuírem tempo para utopias. Utopias? Negativo, o pessimista acomodado chama de utopia a vontade de mudar o mundo: nada mas equivocado!

A vontade de mudar o mundo não é utópica, mas uma necessidade absolutamente concreta! Não se trata de utopia, mas de mudar o que existe agora: Exploração e opressão. Bilhares de trabalhadores produzem mas não levam nada além de um salário. Milhões de mulheres são assassinadas… Negros e negras ainda são tratados como inferiores… mulheres são oprimidas há milênios… Utopias? Utopia é acreditar que é no capitalismo que a realização se efetiva para aqueles que produzem a riqueza com a vendo da sua força de trabalho! Utopia é acreditar que é livre quando na realidade a vida é mercantilizada! Utopia é acreditar que trabalhar a vida toda é a forma de se realizar como ser humano! Isso sim é utopia, pois este lugar ainda não existe. Veja caro leitor, utópico é o pessimista acomodado. Nos lutamos diante de fenômenos históricos reais, que existem há séculos!

O pessimista acomodado é incapaz de ver a realidade mais óbvia, por isso tenta obliterar aqueles que a vê. Querem nos empurrar o farelo, o feijão azedo e uma piscadela de “ok”. Não aceitamos nada disso!

Somos otimistas e continuamos querendo mudar o mundo. Não nos contentamos com as migalhas que caem da mesa do banquete burguês. Desejamos mudar as coisas, não adaptar-se a elas. Queremos transformar radicalmente a vida e não nos acomodarmos diante das migalhas que os conciliadores reformistas nos oferecem! Seguimos com vontade porque se trata de necessidade e não de capricho!


 ♦ Jean Paulo Pereira de Menezes é graduado em História, mestre em História e doutor em Ciências Sociais. Docente na UEMS- MS, campus Paranaíba e escrevinhador que já encheu o saco com a estética acadêmica da escrita.

Artigos Relacionados

Algumas palavras sobre a esquerda Disney World, em memória de Mèszáros Algumas palavras sobre a esquerda Disney World, em memória de Mèszáros
OPINIÃO "A esquerda Disney World chama para si a perspectiva revolucionária, mas o que apresentam...
A crise capitalista e o subjetivista como personagem da história em migalhas A crise capitalista e o subjetivista como personagem da história em migalhas
OPINIÃO Leia artigo de Jean Menezes, cientista social e colunista de Caros Amigos (Foto: Reprodu...
A diferença entre ortodoxia e dogmatismo A diferença entre ortodoxia e dogmatismo
ARTIGO "Ser ortodoxo não é ser dogmático, ao contrário, trata-se de combater os dogmatismos,...

Leia mais
×
CORREIO CAROS AMIGOS
powered by moosend