Previdência, quem sabe!?

Artigos e Debates
Typography

 

Previdência, quem sabe!?

Por Leomar Daroncho

O destino dos serviços públicos no Brasil e dos que mais dependem dele, como diria Cazuza, foram traçados na maternidade da PEC 55/2016 (antiga PEC 241/16), convertida na Emenda Constitucional nº 95.

Escamoteado no discurso da “Responsabilidade Fiscal” – e quem poderia ser contra isso? – o País assistiu, no final de 2016, à aprovação, no estilo “rápido como quem rouba”, de uma Emenda Constitucional que assegura o pagamento dos juros e serviços da dívida pública, que segue sem ser auditada. Atendida a voraz fome da banca, que sempre ganha, o restante das despesas públicas deve ser ajustado ao que sobrar. E deve sobrar pouco.

Leia mais:

Ciência brasileira poderá retroceder pelo menos uma década nos próximos anos

Unidades de conservação federais sofrem com a falta de recursos públicos

Um ano do impeachment de Dilma Rousseff

Estudo da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp) demonstrou que entre 2011 e 2016 as desonerações fiscais consumiram 1.346 trilhão de reais. Apenas em 2016 o País perdeu 600 bilhões de reais com o pagamento de juros, 267 bilhões de reais com desonerações tributárias, 500 bilhões de reais com sonegação fiscal e 200 bilhões de reais com corrupção. O primoroso estudo aponta que isso tudo corresponde a aproximados a 1,567 trilhões de reais/ano, ou seja, quase três vezes o que se pretende “economizar” em dez anos com a Reforma da Previdência.

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

É nesse contexto que deve ser compreendido o esforço em aprovar a reforma da Previdência, aplaudido pelos setores que se beneficiam diretamente pelas barganhas, ou é por eles patrocinado. Os últimos encarregam-se de propagar o “humor” do mercado.

Trata-se de um esforço para acomodar o restante – o que sobrou - do orçamento público, depois de devidamente separado o substancial montante destinado aos rentistas. A reforma da Previdência proposta no final de 2016, conforme afirma a Anfip, deve ser compreendida no contexto do aprofundamento da política de austeridade econômica. A Previdência ocupa lugar de destaque no aperto das contas primárias determinado pelo “Novo Regime Fiscal”.

"Os efeitos negativos da cruel reforma recairão só e exclusivamente sobre a população mais vulnerável, aí entendidos os trabalhadores assalariados, o funcionalismo público, os aposentados e pensionistas, as carreiras de Estado e, principalmente, aqueles que dependem do salário mínimo”

Como alertou a presidente da Conamp, Norma Cavalcanti, os efeitos negativos da cruel reforma “recairão só e exclusivamente sobre a população mais vulnerável, aí entendidos os trabalhadores assalariados, o funcionalismo público, os aposentados e pensionistas, as carreiras de Estado e, principalmente, aqueles que dependem do salário mínimo”.

Um detalhe perverso da proposta inicial de Reforma da Previdência recebeu pouca visibilidade. Não é verdade que a idade para alcançar a aposentadoria seria fixada em 65 anos.

O texto prevê que a idade mínima será acrescida de um ano, para ambos os sexos, sempre que a expectativa de sobrevida média da população aumentar um ano (IBGE). Ou seja, a idade mínima é móvel.

Portanto, talvez seja possível, com sorte, aposentar-se aos 65 anos. Essa é apenas uma possibilidade, mesmo tendo sobrevivido.

Cabe à população dos lugares mais pobres, com a menor expectativa de sobrevida, torcer para que os mais bem posicionados não melhorem muito. Havendo progressos localizados, a média nacional correspondente à expectativa de sobrevida subiria. E essa melhoria, desequilibrada, puniria novamente os que já vivem em pior situação.

E as diferenças na expectativa de vida não estão apenas entre regiões e estados do Brasil. Dentro da mesma cidade, como apontou o Mapa da Desigualdade elaborado pela Rede Nossa São Paulo, há diferenças significativas. Entre os bairros da capital paulista a expectativa de vida pode variar em até 25 anos. No distrito de Alto de Pinheiros, o cidadão vive em média quase 80 anos. Na Cidade Tiradentes, o paulistano vive menos de 54 anos.

Também nisso a reforma, com sua velocidade imperiosa, ignora as diferenças de um Brasil injusto e desigual. O mercado tem pressa!


  Leomar Daroncho é procurador do Trabalho

Artigos Relacionados

A direita mostra os dentes. Como (re)agir? A direita mostra os dentes. Como (re)agir?
REAÇÃO Defesa da intervenção militar é, também, um sinal de que o golpe parlamentar...
Privatizações de Temer seguem a mesma cartilha de FHC Privatizações de Temer seguem a mesma cartilha de FHC
OPINIÃO "É a mesma fórmula antiga, ultrapassada e entreguista, com leilão de empresas públicas...
Quem nos salvará dos impérios decadentes? Quem nos salvará dos impérios decadentes?
AMEAÇA Golpes de Estado. Sabotagem de novos polos de poder, como os BRICS. Estímulo às...

Leia mais
×

×
CORREIO CAROS AMIGOS
powered by moosend