O direito e a teimosia de sonhar: janeiro celebra a memória de Martin-Luther King

Artigos e Debates
Typography

O direito e a teimosia de sonhar: janeiro celebra a memória de Martin-Luther King

Por Marcelo Barros
Do Brasil de Fato

Um dos problemas mais sérios do mundo atual é que a sociedade dominante se tornou tão forte e, de tal forma, a todos impõe os seus valores que rouba das pessoas até o direito de sonhar. A sociedade do shopping cria fantasias de consumo que parecem sonhos, mas não têm a consistência de projetos de vida. As pessoas se preparam para ganhar mais ou ter sucesso na vida mas poucas pensam para que empreender toda essa luta. E a juventude que tem todo o direito de, através do conhecimento, se apossar da história e do pensamento dos grandes sonhos da humanidade. A educação não pode ser fragmentada e esfacelada, como manda o projeto criminoso do atual governo brasileiro.

No mundo inteiro, nesse próximo final de semana, as pessoas que trabalham pela paz entre os povos e pela igualdade entre os seres humanos celebram a memória do pastor negro Martin-Luther King.  No começo dos anos 60, nos Estados Unidos, o pastor King coordenava a luta da população negra pela igualdade social e por seus direitos civis. Enquanto ele vivia, a grande mídia norte-americana tentou destruí-lo de todos os modos possíveis. Depois que ele foi assassinado, fez dele um herói. O dia do aniversário de seu nascimento, 15 de janeiro, foi consagrado como feriado nacional, celebrado sempre na terça segunda feira de janeiro.

"O sonho dele era viver em um mundo no qual os seus filhos negros pudessem andar de cabeça erguida e conviver de igual para igual com os colegas brancos"  
   

Mais de 50 anos depois dessa vitória legal do povo negro, tanto nos Estados Unidos, como na maioria dos países do mundo, a humanidade ainda não eliminou o apartheid social e econômico. Na América Latina, quase sempre, ser negro é sinônimo de ser pobre. A África do Sul superou o apartheid político, mas mantém uma imensa desigualdade racial, baseada na divisão econômica. Com relação a isso, ainda ressoam as palavras do pastor Martin-Luther King: “O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons. Mais do que a violência de poucos, me assusta a omissão de muitos”. Ele explicava: “Uma pessoa que não descobriu nada pela qual aceitaria morrer, não está ainda pronta para viver”. Onde ele mais expressou essa causa maior pela qual viver e lutar foi no célebre discurso, considerado por várias pesquisas o discurso mais importante feito nos Estados Unidos, durante o século XX. Nos degraus do Lincoln Memorial em Washington, ao encerrar a marcha por direitos civis e igualdade de emprego, diante de mais de 200 mil pessoas, no 28 de agosto de 1963, o pastor Martin- Luther King começou seu discurso dizendo: “Eu tenho um sonho”. Apesar de ter sido proferido há mais de 50 anos, suas palavras ainda se mantêm atuais e proféticas. O sonho dele era viver em um mundo no qual os seus filhos negros pudessem andar de cabeça erguida e conviver de igual para igual com os colegas brancos, freqüentar os mesmos colégios e participar dos mesmos ambientes sociais. “Sonho com um mundo no qual meus filhos possam ser julgados por sua personalidade e não pela cor de sua pele”. Era o sonho de ver o mundo superar as divisões raciais e sociais que ainda tornam esta terra um vale de lágrimas e injustiças.

Leia mais:

A arte de morrer

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

Privacidade, mercadoria de luxo

"Encontramos doentes mentais na mesma cela que presos comuns", conta juiz

Desde a última década do século XX, mas principalmente a partir dos primeiros anos desse século, vários países na América Latina conseguiram transformar o sonho de justiça e libertação dos nossos povos em projetos que se concretizaram em novas constituições cidadãs em países como a Venezuela, o Equador e Bolívia. Os povos conseguiram eleger governos mais progressistas e, mesmo em meio a muitas ambiguidades, mais ligados à causa dos mais pobres. No entanto, as elites locais insatisfeitas, patrocinadas e apoiadas pelo império norte-americano, ávido de retomar o seu poder no continente, conseguiram fragilizar os processos sociais, derrubar alguns governos e reinstalar de novo em vários países a dependência e a opção pela maior desigualdade e discriminação social. A memória de profetas como o pastor Martin-Luther King nos assegura que, mesmo com todos os ataques do império, ninguém conseguirá destruir os melhores sonhos dos nossos povos.

É bom lembrar que a espiritualidade é a opção de viver desde agora para tornar realidade aquilo que sonhamos. Toda a Bíblia pode ser lida a partir da revelação progressiva de um projeto divino de paz, justiça e comunhão entre os seres humanos e com a natureza. O pastor Martin-Luther King nos recordava: “Lembremo-nos de que existe no mundo um poder de amor que é capaz de abrir caminho onde não há caminho e de transformar o ontem escuro em um amanhã luminoso”. 


Marcelo Barros é jornalista

 

Artigos Relacionados

Dúvida no coração do império Dúvida no coração do império
PENTÁGONO "Há um consenso acima do presidente, segundo o qual é absolutamente necessário,...
Nas finanças, a origem do declínio norte-americano Nas finanças, a origem do declínio norte-americano
DERROCADA Para enfrentar desindustrialização e desigualdade, seria preciso reverter três dé...
Todos os países são iguais perante a lei? Todos os países são iguais perante a lei?
SOBERANIA "Se todos são igualmente soberanos, nada justifica que os maiores, mais fortes e...

Leia mais
×

×
CORREIO CAROS AMIGOS
powered by moosend