Em busca da social-democracia brasileira

Artigos e Debates
Typography

Em busca da social-democracia brasileira

Por David Carneiro
Do Conjunturando

No Brasil, a verdadeira social-democracia está dispersa. Depois de anos de experiência progressista de governo, entre avanços sociais e desvios éticos e programáticos, muitos jovens militantes, sindicalistas, estudantes e intelectuais fragmentaram-se em pequenos coletivos ou grupos de discussão. Os que permaneceram nas vidas partidárias e das grandes organizações muitas vezes têm dificuldades internas de exprimir seus pontos de vista e sentem-se desconfortáveis com camisas e rótulos que não lhes servem. Mas quem são os social-democratas? O que é a social-democracia brasileira?

O termo, identificado com o socialismo reformista, ao menos desde a grande cisão no movimento socialista internacional ocorrido em 1919, passou por grandes ressignificações ao longo do século XX. Se os social-democratas estiveram à frente da implementação de uma série de reformas sociais fundamentais por onde governaram, seus partidos e organizações não ficaram imunes à crise das grandes utopias e às próprias mudanças estruturais no mercado e no mundo do trabalho. Nas últimas décadas, a social-democracia no governo contentou-se em “humanizar o existente”, aplicando, com mediações pontuais e contrapontos identitários, o programa do neoliberalismo.

Leia mais:

CUT/Vox Populi: Lula tem 42%, Bolsonaro, 16%

"Há elementos para cassar concessão da Globo", diz Damous

Necessidade da História: visão do “todo” e frente progressista não subalterna

PUBLICIDADE

Nessa situação, tal significante deveria ser pouco mais que uma curiosidade histórica ou, como de fato ocorre, um adorno ideológico para partidos de direita. Por que então o termo continua importante para tanta gente na esquerda? Correndo um risco da simplificação, responder a essa questão pode servir para simbolizar o desconforto e a diáspora comum a muitos que querem seguir um novo rumo e, ao mesmo tempo, livrar a si mesmos de representações que consideram, a um só tempo, anacrônicas e redutoras.

Em primeiro lugar, social-democratas de hoje não utilizam a muleta teórica da “dialética” para disfarçar a falta de imaginação política. Sabem que a resposta não será dada “no processo histórico” e que são absolutamente responsáveis por ter ou não respostas aos problemas dos cidadãos, por saber ou não implementá-las de modo eficiente. Para os social-democratas existem soluções boas e ruins, mas não existe o lado certo da história. 

Em segundo lugar, social-democratas aprenderam, seja na luta contra a ditadura, seja na construção da democracia contra o Estado oligárquico e de exceção, a importância das liberdades individuais e das garantias democráticas. Para eles, a radicalização da democracia não é apenas o fortalecimento do assembleísmo, mas a valorização profunda da autonomia e da reflexividade humanas. Para os social-democratas, não existem bons e maus ditadores e a existência do fascismo não é uma desculpa para adotar práticas similares àquelas do fascismo, mas dobrar a aposta na democracia. 

Em terceiro lugar, por não acreditarem em filosofias da história enigmáticas e valorizarem a reflexividade, social-democratas revisam periodicamente seus programas, desafiam seus dogmas e sacrificam verdades consagradas ao altar das melhores evidências disponíveis. Ao superar, por exemplo, a disputa hidráulica entre mais Estado e menos mercado e vice-versa, sabem que ambos são apenas instrumentos maleáveis a serviço da transformação social.

Social-democratas também enfrentam seus dilemas. Confrontam-se permanentemente com o fantasma da mera humanização do existente, como se a distribuição marginal da renda fosse o horizonte último de seus esforços. Por isso, muitos preferem assumir outras identidades, que os lembrem dos fundamentos utópicos de seu nascimento, dos sonhos de emancipação do trabalho e do engrandecimento de homens e mulheres comuns. Justamente por adotar, no presente, a prática como critério da verdade é que são, porém, genuinamente social-democratas.

No Brasil, contra as versões sociais-liberais genéricas, os verdadeiros social-democratas também sabem muito bem da vocação colonial e golpista das elites brasileiras, não acreditam no discurso que as instituições, muitas vezes oligárquicas e partidarizadas, fazem sobre si mesmas. Criticam duramente o oligopólio dos meios de comunicação. Por outro lado, contra seus pares niilistas, usam a crítica, mais uma vez, para dobrar a aposta democrática e não para reificar as instituições como meras mistificações de classe.

A verdadeira social-democracia brasileira merece se reunir mais uma vez como força política unificada. Por ora, oscila entre o desconforto da adesão às alternativas sociais-liberais e a convivência com discursos e referências estéticas de uma esquerda anacrônica, aguardando o momento de construir uma força radicalmente democrática e que possa liberar, contra todos os tipos de determinismo, a imaginação institucional a serviço de um mundo melhor. 

David Carneiro é doutor em Direito pela UERJ

Artigos Relacionados

O zumbi de Alcântara O zumbi de Alcântara
ENTREGUISMO Governo tenta retomar acordo para ceder aos EUA base de lançamento de foguetes....
Juros e juros Juros e juros
ECONOMIA A liberdade oferecida aos bancos continua mantendo o Brasil na condição de líder...
Ano da esperança e dos sonhos, ou da vergonha e dos retrocessos Ano da esperança e dos sonhos, ou da vergonha e dos retrocessos
DADOS NA MÃO O Brasil, que saiu da ditadura, mas nunca chegou à democracia, se prepara um...

Leia mais

Correio Caros Amigos

 
powered by moosend
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade