Por que o Brasil deu errado?

Artigos e Debates
Typography

Por que o Brasil deu errado?

Por Breno Altman
Do Opera Mundi

A explicação genérica seria simples: a burguesia brasileira, cuja origem remonta à fusão entre o regime escravocrata e o colonialismo, somente prosperou, entre outras chagas, com base na superexploração do trabalho, na dependência imperialista, na sobrevivência do latifúndio e no atropelo às liberdades democráticas. Esse mecanismo de acumulação capitalista gerou uma nação brutalmente desigual, uma terra sem direitos, um país excludente e de joelhos frente às potências capitalistas, um Estado oligárquico e uma gigantesca massa de excluídos.

Claro, esse Brasil injusto e cruel deu certo para suas elites e parte das camadas medias, frações sociais que estão entre as mais endinheiradas do planeta, mas deu profundamente errado para a maioria do povo.

Leia mais:

Movimentos sociais realizam ato de apoio a Lula nesta quarta (13)

Entidades repudiam intenção do governo de retornar ao modelo manicomial

"Queremos o preto e o favelado no centro do processo decisório"

Mas há outras razões, além das condições objetivas narradas acima.

A principal delas, de natureza histórica, reside na ausência de força e vontade política, nos momentos decisivos de nossa história, de optar pelo caminho da ruptura, da destruição da antiga ordem, como pressuposto para a emergência de uma nova sociedade.

A América hispânica derrotou o colonialismo através das guerras de inspiração bolivariana, expulsando o poder metropolitano e fundando um novo Estado. No Brasil, a libertação veio pelo transformismo de parte da família real portuguesa, que reordenou o arcabouço político quando o sistema colonial passou a ser um obstáculo à formação primária do capitalismo brasileiro.

PUBLICIDADE

O escravismo foi a pique nos Estados Unidos graças a uma guerra revolucionária, pela qual a jovem burguesia do norte esmagou os escravocratas sulistas, criando as bases de um regime capitalista forjado sobre um mercado interno de massas. No Brasil, a escravidão acabou a conta-gotas, pela acomodação progressiva das elites agrárias ao sistema do trabalho assalariado, pela preservação do monopólio da terra e pela reprodução dos velhos instrumentos de domínio sobre camponeses e trabalhadores sem-terra.

São apenas dois exemplos, das dezenas que poderiam ser citados, que demonstram a enorme capacidade de auto-reforma das classes dominantes brasileiras de várias épocas, ao mesmo tempo em que revelam a incapacidade das forças populares, nos mais distintos momentos, de fazer como em outras plagas e jogar as velhas elites ao mar.

A cultura política da conciliação, da revolução passiva e da mudança por cima não é apenas um artefato criado e controlado pelos de cima, mas também a fôrma principal do pensamento e da ação progressistas.

No Brasil não há rupturas, mas sobreposições e adaptações. Salvo quando os de baixo ameaçam se revoltar contra esse modelo: nessas raras horas em que tal fenômeno ocorreu, a última delas em 1964, a resposta foi sangrenta, através de implacável contra-revolução preventiva.

O PT nasceu, entre outros motivos, mesmo confusamente, para superar essa cultura da conciliação, que havia contaminado boa parte da esquerda pré-petista, a começar pelo velho PCB pós-1958, até o final dos anos 70 a principal organização do campo popular.

Acabou, no entanto, tragado pelo sistema que engendrou a geringonça brasileira: um processo permanente e lampedusiano pelo qual algo sempre tem que mudar para tudo ficar como está.

A derrubada do governo Dilma despertou parte considerável do petismo e do conjunto da esquerda para a tragédia política que representa, aos trabalhadores, essa lógica subalterna. Mesmo quando funciona a curto prazo, em condições especiais, a médio e longo prazo historicamente só produz derrotas.

Na base dessa cultura, no campo progressista, entre outros elementos, está uma leitura torta sobre o desenvolvimento do capitalismo brasileiro, que enxerga como anomalias exatamente os fatores que são sua essência virtuosa no que diz respeito aos interesses dos grandes proprietários dos meios de produção. Repetindo: a superexploração do trabalho, a dependência frente ao imperialismo, a manutenção do latifúndio – e mais modernamente a financeirização do capital.

Esperanças de que algum setor relevante da burguesia viesse a ter motivação para violar sua própria lógica acumulativa sempre levaram ao sacrifício da independência de classe e ao atraso na constituição dos trabalhadores como uma força protagonista capaz de lutar pela hegemonia sobre o Estado e a sociedade.

Tudo isso o PT já sabia no final dos anos 80 e tais convicções o ajudaram a ter uma pujança que jamais a esquerda brasileira possuiu. Aos trancos e barrancos, agora vive o desafio de reencontrar o fio da meada perdida.

Artigos Relacionados

Juros e juros Juros e juros
ECONOMIA A liberdade oferecida aos bancos continua mantendo o Brasil na condição de líder...
Ano da esperança e dos sonhos, ou da vergonha e dos retrocessos Ano da esperança e dos sonhos, ou da vergonha e dos retrocessos
DADOS NA MÃO O Brasil, que saiu da ditadura, mas nunca chegou à democracia, se prepara um...
O novo mapa da desigualdade brasileira O novo mapa da desigualdade brasileira
DESIGUALDADE SOCIAL Sozinhas, 700 mil pessoas — 0,36% da população — têm patrimônio igual a...

Leia mais

Correio Caros Amigos

 
powered by moosend
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
×
CORREIO CAROS AMIGOS
powered by moosend