O sonho americano acabou?

Artigos e Debates
Typography

 

O sonho americano acabou?

Por Marcia Cruz-Redding

Os Estados Unidos da América, a terra dos sonhos de liberdade, igualdade, dignidade, respeito, liberdade religiosa e educação, mudou radicalmente com a eleição do milionário Donald Trump à Presidência da República.  O discurso agressivo do novo presidente, durante a campanha e após as eleições, despertou uma parcela minoritária da população que quer ressuscitar o racismo, a homofobia, a xenofobia e a intolerância.

Nos últimos meses, a nação ‘’hollywoodiana’’ vem vendo o ressurgimento de grupos racistas como o Klu Klux Kan em todos os estados. Várias outras organizações menores têm realizado demonstrações ou publicado artigos provocadores nas redes sociais. A manifestação de um grupo de supremacistas brancos (em inglês, “white-supremacists”) em Charlottesville, estado da Virginia, no dia 12 de agosto, resultou na morte de Heather Heyer, uma ativista dos direitos humanos de 32 anos. Este evento foi o estopim de uma nova fase desses grupos de inspiração neonazista ou apenas mais uma etapa da escalada de ódio que assola o país?

Leia mais:

Charlottesville reflete a América de Donald Trump

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

Xadrez da influência dos EUA no golpe

A sustentação oral que condenou Bolsonaro

O presidente americano condenou a violência de forma ambígua e disse que os dois grupos de manifestantes eram igualmente culpados. Esta declaração provocou uma reação negativa em boa parte da população. Ao culpar os dois grupos, o presidente não condenou a presença de neonazistas e membros da Klu Klux Kan entre os manifestantes racistas. Políticos republicanos e democratas foram contra a posição de Trump. Alguns membros do conselho de apoio ao presidente, abandonaram o comitê depois dessas declarações. O último golpe foi a demissão coletiva dos membros do Conselho Presidencial para as Artes e Humanidades. Em carta pública, os membros do conselho ressaltaram em cada parágrafo a sua oposição às declarações de Trump. A primeira letra de cada um dos seis parágrafos da carta formou a palavra "Resist", associada com os protestos contra a atual administração.

"Milhares de americanos estão realizando manifestações em diversas partes do país. Em Boston, cerca de 40.000 ativistas pelos direitos humanos marcharam pelas ruas do centro no dia 19 de agosto para demonstrar seu repúdio contra um grupo racista que, baseado na Constituição norte-americana, quis realizar um 'free speech' (liberdade de expressão) no principal parque da cidade"

De fato, há uma resistência popular contra Trump que a imprensa internacional, e em especial a brasileira, não consegue captar. Milhares de americanos estão realizando manifestações em diversas partes do país. Em Boston, cerca de 40.000 ativistas pelos direitos humanos marcharam pelas ruas do centro no dia 19 de agosto para demonstrar seu repúdio contra um grupo racista que, baseado na Constituição norte-americana, quis realizar um ‘’free speech’’ (liberdade de expressão) no principal parque da cidade. A “contra-marcha” dos setores progressistas foi pacífica e a administração de Boston deixou bem claro que atos de violência e de provocação não serão tolerados. O prefeito Marty Walsh e a procuradora-geral do estado de Massachusetts, Maura Healey, caminharam lado a lado com os manifestantes.

Neste momento conturbado da administração de Donald Trump o que está no horizonte é o perigo da volta de um período macabro de racismo da história norte-americana e a decisão política da população de permitir ou não que isto aconteça. Uma vez mais, a nação mais poderosa do planeta terá a oportunidade de mostrar ao mundo se o significado do “american way of life” contempla a democracia ou não.  A grande questão é saber diferenciar quem é quem nesta realidade que, infelizmente, remete a um cenário ‘’hollywoodiano”.


 

♦ Marcia Cruz-Redding é jornalista brasileira residente em Waltham, estado de Massachusetts.

Artigos Relacionados

Privatizações de Temer seguem a mesma cartilha de FHC Privatizações de Temer seguem a mesma cartilha de FHC
OPINIÃO "É a mesma fórmula antiga, ultrapassada e entreguista, com leilão de empresas públicas...
Quem nos salvará dos impérios decadentes? Quem nos salvará dos impérios decadentes?
AMEAÇA Golpes de Estado. Sabotagem de novos polos de poder, como os BRICS. Estímulo às...
Villas Boas manobra para não fazer de Mourão “mártir” de intervencionistas Villas Boas manobra para não fazer de Mourão “mártir” de intervencionistas
OPINIÃO "Ele não fala pelo Alto Comando, quem fala pelo Alto Comando sou eu", disse o general...

Leia mais
×

×
CORREIO CAROS AMIGOS
powered by moosend