Por trás da operação Aécio, a sombra de Serra

Política
Typography

Por trás da operação Aécio, a sombra de Serra

Por Luis Nassif
Do GGN

Por trás do vazamento da delação da JBS, ontem, pode estar uma velha disputa entre o grupo de José Serra e o de Aécio Neves na Polícia Federal.

Hoje de manhã foi deflagrada a operação contra o senador Aécio Neves, autorizada pelo STF (Supremo Tribunal Federal) e com pedido de prisão de sua irmã Andréa Neves. A operação já estava marcada há dias. Por isso, há suspeita - na PF - de que o vazamento tenha sido uma tentativa desesperada do grupo de Aécio, na PF ou na PGR (Procuradoria Geral da Repúbica) de avisar os alvos para se desfazerem de provas.

Leia mais:

Temer cancela agenda e ensaia fazer pronunciamento em rede nacional

Aécio e irmã têm pedido de prisão preventiva; tucano foi afastado do cargo

Moro nega acesso a "prova" de propina no governo Alckmin

Ontem por volta das 16:30 houve uma reunião tumultuada entre o delegado geral da PF Leandro Daiello e o grupo. Temia-se que a operação pudesse ser cancelada. Não foi.

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

Aécio fincou pé na PF depois que foi alvo de armação do grupo do senador José Serra na corporação. Ambos disputavam a liderança no PSDB. Liderado pelo ex-policial Marcelo Itagiba, o grupo de Serra tentou flagrar Aécio em uma boate no Copacabana Pálace. Aécio foi avisado a tempo e se safou da armação.

A partir do episódio, decidiu fincar montar seu grupo na PF. E, através do Estado de Minas, produziu o mais contundente documento até agora contra Serra, o livro “Privataria Tucana”, do jornalista Amaury Jr.

No final de 2014, a PF de Serra montou uma operação em cima do governador mineiro eleito, Fernando Pimentel, pensando pegar dois pombos com um só tiro, julgando que ainda estaria em vigor o pacto de Minas, dele com Aécio, que resultou na eleição de Márcio Lacerda para a prefeitura de Belo Horizonte.

No início do governo Lula, aliás, a ponte entre PSDB e PT era garantida pelo pacto mineiro.

Foi preso, então, o marqueteiro Benedito Oliveira, o Bené, dentro da Operação Acrônimo. Desde então, a PF de Serra vem mantendo o noticiário aceso: periodicamente saem denúncias contra Pimentel, todas provindas da mesma delação de Bené e saindo na mesma publicação, o Estadão, aparentemente o último veículo em que Serra mantém influência.

A ação da PF de Serra só não evoluiu porque esbarou no ex-Ministro Nelson Jobim que se casou em segundas núpcias com Adrienne Giannetti Nelson de Senna, que fez brilhante carreira no serviço público - foi uma das primeiras presidentes do COAF (Conselho do Controle de Atividades Financeiras) – e é de uma família dona de empreiteira que mantém boas relações com Pimentel e Aécio.

Jobim teve papel relevante para garantir a estabilidade política junto ao Supremo. E se credenciou como pessoa capaz de costurar pactos entre PSDB e PT.

A investida contra Aécio se dá em um momento em que Serra fugiu de todo noticiário, visando se preservar.

Obviamente, a operação não foi engendrada pelo grupo de Serra, mas devido às delações-bombas dos irmãos Batista, da JBS.

Artigos Relacionados

Os vexames da nova política internacional brasileira Os vexames da nova política internacional brasileira
HOMENS DE TEMER Com Serra no Itamaraty, a nova postura é clara: trata com rispidez os países...
Teori nega recurso a Dilma: intervenção judicial teria 'avassaladoras consequências' Teori nega recurso a Dilma: intervenção judicial teria 'avassaladoras consequências'
IMPEACHMENT Pedido ainda será apreciado pelo plenário do STF. Defesa reafirma que processo...
Democracia não cabe no neoliberalismo e vice-versa Democracia não cabe no neoliberalismo e vice-versa
ANÁLISE Não resta a Temer discurso algum, senão o da ordem e o da economia de recursos, que...

Leia mais

Correio Caros Amigos

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
×