Venezuela: "É 'muito preocupante' oposição não querer participar", diz chefe de comissão da Constituinte

Internacional
Typography

 

Eliás Jaua considera a decisão da oposição injustificável

Do Opera Mundi

O ministro venezuelano e chefe da Comissão Presidencial para a Constituinte, Eliás Jaua, avaliou na noite deste domingo (14) como "muito preocupante" a recusa da opositora Mesa Democrática (Mud) a participar do processo de eleição da Assembleia Nacional Constituinte.

"É muito preocupante a situação de uma injustificável decisão da direção da Mud de não ter nenhum tipo de comunicação com o governo legítimo e democrático da República", disse Jaua em referência à rejeição dos opositores a participar do processo convocado pelo presidente do país, Nicolás Maduro.

Jaua, que também é ministro da Educação do país, comandou durante os últimos dias uma série de reuniões com vários setores sociais e políticos do país para explicar os motivos e objetivos de Maduro para convocar um processo a fim de redigir uma nova Constituição.

Leia mais:

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

Macron nomeia conservador Édouard Philippe como primeiro-ministro da França

Chomsky: "A ideologia de Trump é autoritária e perigosa"

Paramilitarismo é maior obstáculo à paz na Colômbia, dizem Farc e ELN em Havana


A plataforma de partidos Mud, maior força opositora do país, rejeitou a iniciativa e se recusou a participar dos encontros porque considera que a convocação não está sendo feita com base constitucional, e que será usada pelo chavismo para se perpetuar no poder.

O chamado de Maduro a este processo agravou uma onda de protestos que denuncia a suposta ruptura da ordem constitucional há mais de 40 dias após a decisão do Supremo de assumir as funções do Parlamento, e embora a decisão tenha sido revogada em meio à pressão internacional, a oposição insiste na denúncia.

Para Jaua, a Venezuela "nunca tinha tido essa manifestação escatológica que atenta contra os valores mais queridos da sociedade venezuelana, nunca antes tinha tido uma força política tão subordinada a interesses estrangeiros". "Nós acreditamos que esta escalada de violência é uma pressão do exterior", disse ao assegurar que a "pressão internacional" teve um papel importante na atual crise venezuelana.

Além disso, indicou que ao governo preocupa "muito mais a atitude da Conferência Episcopal" venezuelana que, segundo disse antes, se negou a participar do processo preparatório da eleição da Assembleia Constituinte. 

Artigos Relacionados

Declínio de imagem do Brasil no exterior ajuda Macri a projetar Argentina Declínio de imagem do Brasil no exterior ajuda Macri a projetar Argentina
DIPLOMACIA Nos últimos meses, Macri recebeu líderes internacionais importantes, como Angela Merkel...
Com a Rota da Seda, a China entra no vácuo aberto por Trump Com a Rota da Seda, a China entra no vácuo aberto por Trump
INFRAESTRUTURA Pequim conecta 66 países em três continentes com o canteiro de obras global. O...
"Cuba não tem que receber lições dos Estados Unidos nem de ninguém", diz Raúl Castro
GEOPOLÍTICA Em discurso na Assembleia Nacional, presidente classificou como "grande retrocesso...

Leia mais

Correio Caros Amigos

 
powered by moosend
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
×
×
CORREIO CAROS AMIGOS
 
powered by moosend