Justiça dos Estados Unidos bloqueia novo decreto anti-imigração de Trump

Internacional
Typography

Trump, por sua vez, avisou que levará a batalha legal à Suprema Corte e que sairá vitorioso do embate.

Do Opera Mundi

Um juiz federal dos Estados Unidos bloqueou temporariamente na noite desta quarta-feira (15/03) o novo decreto migratório do presidente americano, Donald Trump, horas antes de o texto entrar em vigor, o que deveria ter acontecido à meia-noite desta quinta (16/03).

A ordem do juiz Derrick K. Watson, do Havaí, deixa sem efeito a medida com a qual Trump pretendia suspender a entrada ao país de imigrantes de seis países de maioria muçulmana e de todos os refugiados. A decisão é a segunda derrota legal do governo de Trump, que já tinha visto o primeiro decreto migratório ser suspenso pela Justiça em fevereiro.

Leia mais:

Endurecimento de leis imigratórias na Argentina atinge diretamente população latino-americana

Coreia do Norte ameaça atacar armas estratégicas dos EUA

Snowden descreve descoberta de supostas ferramentas de espionagem da CIA como "grande preocupação"

Após uma breve e infrutífera batalha nos tribunais, Trump decidiu apresentar uma versão revisada do decreto, promovendo mudanças que rebaixaram o tom da medida e convencido de que, desta vez, a ordem executiva não seria alvo de ações judiciais.

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

 

No entanto, Watson decidiu suspender o decreto atendendo ao pedido apresentado pelo procurador-geral do estado do Havaí, o democrata Doug Chin, que alegou que o decreto, assim como o primeiro, também é inconstitucional.

Watson era um dos três juízes que analisavam o futuro da ordem presidencial. Há audiências pendentes em Maryland e no estado de Washington, responsável por suspender o primeiro decreto.

A nova medida de Trump suspendia durante 120 dias o programa de amparo de refugiados e por 90 a entrada de cidadãos procedentes de Irã, Somália, Sudão, Síria, Iêmen e Líbia.

Diferentemente do primeiro texto, o novo decreto deixa de fora da lista de banidos os cidadãos do Iraque e modifica as medidas em relação aos refugiados sírios, que terão a entrada no país proibida durante 120 dias e não de forma indefinida como estabelecia a ordem executiva inicial de Trump.

Reação

Trump, por sua vez, avisou que levará a batalha legal à Suprema Corte e que sairá vitorioso do embate.

"Vamos brigar contra essa terrível decisão, vamos chegar até a Suprema Corte, ganhar e manter seguros nosso país e nossos cidadãos", disse Trump em um ato em Nashville, no Tennessee.

O mandatário classificou a decisão de Watson como um "excesso judicial sem precedentes" e reiterou que a Constituição do país concede poderes ao presidente para suspender a imigração em prol da segurança nacional.

Além disso, antecipando que os recursos apresentados pelo governo serão negados no Tribunal de Apelações do Nono Circuito - uma corte que Trump considera "politizada" -, o republicano avisou que levará a batalha legal sobre o decreto até a Suprema Corte.

"Acredito que devemos voltar ao primeiro decreto e percorrer todo o caminho até a Suprema Corte. Isso é o que eu queria ter feito em primeiro lugar", disse o presidente.

Artigos Relacionados

Declínio de imagem do Brasil no exterior ajuda Macri a projetar Argentina Declínio de imagem do Brasil no exterior ajuda Macri a projetar Argentina
DIPLOMACIA Nos últimos meses, Macri recebeu líderes internacionais importantes, como Angela Merkel...
Com a Rota da Seda, a China entra no vácuo aberto por Trump Com a Rota da Seda, a China entra no vácuo aberto por Trump
INFRAESTRUTURA Pequim conecta 66 países em três continentes com o canteiro de obras global. O...
"Cuba não tem que receber lições dos Estados Unidos nem de ninguém", diz Raúl Castro
GEOPOLÍTICA Em discurso na Assembleia Nacional, presidente classificou como "grande retrocesso...

Leia mais

Correio Caros Amigos

 
powered by moosend
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
×
×
CORREIO CAROS AMIGOS
 
powered by moosend