“Carne Fraca”: maior operação da história da PF mira empresários do agronegócio

Cotidiano
Typography

 

Fiscais liberavam até carne podre; entre os 38 presos estão executivos da BRF e da Seara; JBS também é um dos alvos da Polícia Federal

Do De Olho Nos Ruralistas

A Operação Carne Fraca é a maior da história da Polícia Federal, informou a instituição na manhã desta sexta-feira (17/03). Após dois anos de investigação, a PF constatou que fiscais do Ministério da Agricultura atuam para “facilitar a produção de alimentos adulterados, emitindo certificados sanitários sem qualquer fiscalização efetiva”. Tudo, claro, movido a propina.

Empresários do agronegócio estão entre os alvos dos 309 mandados judiciais. Os números são superlativos: 27 prisões preventivas, 11 prisões temporárias, 77 conduções coercitivas. Os 194 mandados de busca e apreensão, segundo a PF, foram feitos em residências e em empresas “supostamente ligadas ao grupo criminoso”.

Leia mais:

A "demonização" dos muçulmanos nos EUA

A Justiça do Trabalho "não deveria nem existir"?

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

"Reforma política séria deve ser discutida para além da elite política"

Segundo o G1, a BRF – a união entre Sadia e Perdigão – e a JBS estão entre as empresas envolvidas. O Estadão informa que executivos da JBS (a maior financiadora de campanhas eleitorais em 2014) foram presos. A Folha menciona também a marca Seara. “A investigação revelou até mesmo o uso de carnes podres, maquiadas com ácido ascórbico, e a re-embalagem de produtos vencidos por alguns frigoríficos”, relata o jornal.

A Folha informa ainda que entre os presos estão executivos da BRF como Roney Nogueira dos Santos, gerente de relações institucionais e governamentais, e André Baldissera, diretor da BRF para o Centro-Oeste. A lista inclui funcionários da Seara e do frigorífico Peccin, “um dos que tinha irregularidades gravíssimas, como uso de carnes podres”.

Segundo a Folha, o ministro da Justiça, Osmar Serraglio, ligou para aquele que a Polícia Federal considera o líder da organização criminosa, Daniel Gonçalves Filho, para obter informações sobre a fiscalização de um frigorífico. Serraglio era deputado federal (PMDB-PR); Gonçalves foi superintendente do Ministério da Agricultura no Paraná entre 2007 e 2016. O atual ministro se referia a ele como “grande chefe”.

De Goiás ao Rio Grande do Sul

Os crimes foram investigados pelas superintendências do Paraná, Minas Gerais e Goiás. A operação que mobilizou 1.100 policiais foi deflagrada em sete Unidades da Federação (SP, DF, SC e RS, além dos três mencionados) pela 14ª Vara da Justiça Federal de Curitiba – desta vez não foi a 13ª Vara, conhecida pela atuação do juiz Sérgio Moro.

A Polícia Federal informa que, entre as ilegalidades, estava a remoção de agentes públicos, com desvio de finalidade “para atender interesses dos grupos empresariais”. “Tal conduta permitia a continuidade delitiva de frigoríficos e empresas do ramo alimentício que operavam em total desrespeito à legislação vigente”.

Segundo a PF, o nome Carne Fraca – motivado pela expressão popular – está em sintonia com a “qualidade dos alimentos fornecidos ao consumidor por grandes grupos corporativos do ramo alimentício” e com a “fragilidade moral de agentes públicos federais”.

Artigos Relacionados

Terceirização faz parte de avalanche neoliberal, critica desembargadora Terceirização faz parte de avalanche neoliberal, critica desembargadora
RETROCESSO Discussão sobre o PL 4.032, que amplia a terceirização para todas as atividades econô...
Governo brasileiro é criticado na ONU por suspender 'lista suja' do trabalho escravo Governo brasileiro é criticado na ONU por suspender 'lista suja' do trabalho escravo
CORPORATIVO Segundo a Conectas, decisão "favorece as corporações privadas em detrimento dos...
Entidades denunciam Brasil na OEA por violações de direitos humanos Entidades denunciam Brasil na OEA por violações de direitos humanos
DIREITOS HUMANOS Em audiência nos Estados Unidos, País deverá explicar também as inúmeras viola...

Leia mais

Correio Caros Amigos

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
×