Um nazista na Casa Branca

José Arbex Jr.
Typography

 

Um nazista na Casa Branca

Por José Arbex Jr.

"Ordenei ao Departamento de Segurança a criação de um escritório encarregado de dar assistência às vítimas americanas (do terrorismo). O escritório terá o nome de Voice (sigla em inglês para Vítimas de Envolvimento em Crimes de Imigração). Estamos dando voz aos que foram ignorados pela nossa mídia ou silenciados por interesses particulares”, declarou o presidente Donald Trump, em sua primeira mensagem ao Congresso dos Estados Unidos, em 28 de fevereiro. A medida, à primeira vista, poderia ser interpretada como uma demonstração de preocupação para com vítimas inocentes. Mas, ao contrário, ela tem um endereço tão certo quanto terrível: isolar e criminalizar as comunidades estadunidenses formadas por hispânicos e islâmicos – segundo Trump, os principais responsáveis por atos terroristas no país e no mundo. Nesse sentido, ela se identifica com uma prática fundamental ao regime nazista durante o período em que a propaganda oficial alimentava o ódio aos judeus.

“Na Alemanha nazista havia um jornal chamado Der Stürmmer, que tinha uma seção intitulada Caixa Postal, para a qual os leitores eram convidados a enviar relatos de crimes supostamente cometidos por judeus. O Der Stürmmer publicava as cartas, que incluíam ilustrações gráficas terríveis dos crimes (...). Assim, a preocupação de focar as atenções num tipo de crime atribuído a um setor específico da sociedade, e depois descrever os membros dessa comunidade como depravados ou anormais é algo que já vimos no passado”, diz Andrea Pitzer, autora do recém-lançado livro One Long Night: A Global History of Concentration Camps.

Em junho de 2015, Trump qualificou os imigrantes hispânicos ilegais como estupradores, narcotraficantes e bandidos. Depois, ao assumir a Casa Branca, tentou fechar o país a imigrantes islâmicos. Finalmente, defendeu a prática da tortura c omo um meio válido para obter confissões, e aventou a possibilidade de instauração de campos de concentração para estrangeiros, invocando como precedente os presídios instalados nos Estados Unidos durante a Segunda Guerra. Mas não é apenas no trato com estrangeiros não-brancos que Trump guarda profundas semelhanças com Adolf Hitler. A lista é perigosamente longa. Começa por sua interpretação muito particular do “excepcionalismo” estadunidense. Contrariando a retórica tradicional da Casa Branca, que descreve os EUA como um país integrado ao “mundo livre”, com a nobre missão de liderá-lo, Trump adota uma postura isolacionista e agressiva – como fez Hitler, porta-voz da “nação ariana”.

Leia mais:

A Besta está solta na terra do tio Sam

Um perigoso palhaço na Casa Branca

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

"Superimperialismo" anuncia catástrofes

Trump defende a “América em primeiro lugar”, com total desprezo pela ONU e pelas organizações internacionais multilaterais. Sua visão de mundo é tão primária que causa preocupação mesmo entre os setores ultraconservadores mais esclarecidos. “Donald Trump fala muito sobre nacionalismo, mas muito pouco sobre a liberdade e a Constituição. Seu desprezo pelo excepcionalismo americano está ancorado na crença de que nossos ideais são obstáculos no caminho para nos tornarmos um país sério. O principal ideólogo do seu nacionalismo, Steve Bannon, participou das fileiras, no passado, de pessoas que defendiam apaixonadamente o nacionalismo étnico”, escreve Jonah Goldberg, um dos principais editores da National Review, revista que representa o pensamento conservador ortodoxo e entusiástica defensora do legado Thatcher – Reagan.

Bannon, um sujeito simpático à KKK, é jornalista e escritor de roteiros para filmes de Hollywood. Tornou-se editor-chefe da Breitbart, uma rede internacional de jornais de extrema-direita, até se tornar um dos articuladores da campanha de Trump. Sua importância pode ser medida pelo fato de que o presidente garantiu-lhe uma vaga permanente no Conselho de Segurança Nacional, fato sem precedentes, ainda mais quando se considera que ele nunca teve experiência em cargos administrativos. A imprensa estadunidense atribui a Bannon a proposta de fechar o país à entrada de islâmicos. Guardadas as devidas distinções de épocas e contextos históricos, nos anos 1930 Hitler assumiu o poder na Alemanha, com um discurso antissemita e nacionalista étnico tão ou mais ridículo que o adotado por Trump, apesar de o país exibir os mais elevados índices de escolaridade da Europa, e da sólida tradição iluminista que marca a cultura germânica. Como compreender a adesão de uma parte importante da sociedade a uma retórica tão primária?

"Trump, como antes fez Hitler, dialoga com o ressentimento, o ódio e a frustração de uma camada da população que se sente excluída da economia globalizada, amedrontada pelo desemprego e pela pobreza e sem perspectiva de melhoria no futuro. Trump, como Adolf, assume a máscara do líder que, sem hesitar diante de nada nem ninguém, e ancorado unicamente na própria vontade, oferece as respostas para tudo"

Trump, como antes fez Hitler, dialoga com o ressentimento, o ódio e a frustração de uma camada da população que se sente excluída da economia globalizada, amedrontada pelo desemprego e pela pobreza e sem perspectiva de melhoria no futuro. Trump, como Adolf, assume a máscara do líder que, sem hesitar diante de nada nem ninguém, e ancorado unicamente na própria vontade, oferece as respostas para tudo. O “poder da vontade” do líder é um componente chave da retórica totalitária, como mostra Hannah Arendt, junto com o apelo permanente da sociedade à mobilização em defesa do “grande guia” e mediante o recurso à mentira, ao cinismo, ao amedrontamento e aos jogos mais baixos para desqualificar o adversário (real ou imaginário) – práticas que, como Hitler, Trump domina com grande maestria. Os ataques à mídia feitos por Trump, qualificada como “tendenciosa”, “mentirosa” e “desonesta” cumprem um papel desestabilizador, numa cultura que, tradicionalmente, valoriza a imprensa e a liberdade de expressão como um de seus alicerces. Sem entrar no mérito das acusações – algumas das quais, aliás, incontestáveis –, Trump coloca-se como único porta-voz da verdade e da honestidade. Assim, tipicamente, Trump primeiro produz o choque, o pânico social e em seguida se apresenta como a única solução possível. Novamente, estamos no reino bizarro e sombrio do nazismo.

Apenas o forte conteúdo irracional que caracteriza esse processo permite que um especulador imobiliário e falastrão se apresente como campeão do “povo” contra as “elites”. Justamente por ser um processo marcado pela irracionalidade, torna-se irrelevante, para os seus apoiadores, o fato de Trump ser um bilionário (nesse aspecto, diferente de Hitler, nascido no seio de uma família de classe média baixa). A irracionalidade propicia o crescimento assustador de episódios de crime de ódio, incluindo ataques não apenas a hispânicos e islâmicos, mas também a negros e judeus. Adolf já mostrou até onde isso pode chegar.


José Arbex Jr. é jornalista

 

 

Artigos Relacionados

Greve geral coloca a questão do poder no Brasil Greve geral coloca a questão do poder no Brasil
NAS BANCAS Em artigo publicado na edição 242 de Caros Amigos, José Arbex Jr. retoma suas impress...
Que se vayan todos! Que se vayan todos!
COLUNA Leia artigo do jornalista José Arbex Jr. publicado na edição 241 de Caros Amigos (Foto:...
 Um perigoso palhaço na Casa Branca Um perigoso palhaço na Casa Branca
NAS BANCAS Leia coluna do jornalista José Arbex Jr., publicado na edição 239 de Caros Amigos...

Leia mais
×