Caros Amigos - Artigos e Debates

Caros Amigos

Publicidade

Ter31032015

Atualizado as04:16:09 PM

Back Você está aqui: Home Artigos e Debates Revista

Artigos e Debates

Colômbia: País dividido com violência extrema

COLÔMBIA

PAÍS DIVIDIDO COM VIOLÊNCIA EXTREMA

Por Mário Augusto Jakobskind

A Colômbia vive um processo de confrontos armados que perdura há mais de 50 anos tendo passado por várias fases, inclusive com um acordo de paz firmado entre o governo e forças insurgentes, o M-19, mas que na prática resultou em etapa posterior em cerca de 3 mil assassinatos de militantes da União Patriótica (UP).

Em 1984 a guerrilha tinha assinado uma trégua na gestão do então presidente Belisário Betancur. A tentativa de seguir o caminho político institucional foi violentamente abortada por grupos paramilitares com o assassinato até de candidatos de esquerda à Presidência da República, como Jaime Pardo Leal, em 11 de outubro de 1987 e Bernardo Jaramillo Ossa, em 22 de março de 1990. Além deles, entre os mais de 3 mil assassinados foram vitimados oito parlamentares, 70 deputados e prefeitos de esquerda.

Leia o artigo completo na edição 192 de Caros Amigos nas bancas ou loja virtual

 

Marcos Bagno: Gramáticas pra comer com farinha

FALAR BRASILEIRO

Marcos Bagno

GRAMÁTICAS PRA COMER COM FARINHA

Há algo de salutar no reino da Gramática. O século 21 começou no Brasil com uma revolução silenciosa mas profunda no campo dos estudos linguísticos. Após 2.500 anos de uma doutrina tradicional fossilizada e anacrônica, começaram a aparecer compêndios gramaticais absolutamente inovadores, não mais produzidos por provectos filólogos de formação novecentista, mas sim por linguistas profissionais, cientistas da linguagem engajados em investigações amplas e profundas da realidade do português brasileiro.


Leia o artigo completo na edição 192 de Caros Amigos nas bancas ou loja virtual

 

Joel Rufino: A vírgula assassina

AMIGOS DE PAPEL

Joel Rufino dos Santos

A VÍRGULA ASSASSINA

Memórias de Adriano, de Marguerite Yourcenar, publicado em 1980 (Nova Fronteira) é um dos melhores romances que li. Ela se põe na pele do imperador romano e faz o balanço de sua vida, de seu poder imenso, de suas crueldades, de seu amor por um efebo bitínio, Antínoo. Desenganado pelos médicos e curandeiros (Adriano tinha hidropisia cardíaca) se prepara pra morrer.
Uma pitonisa garante ao imperador: se uma pessoa que vos ama morrer, os anos de vida dessa pessoa vos serão acrescentados. No dia seguinte, Antínoo é encontrado morto num dos tanques do Nilo.

A Grécia, o Egito, a Itália, a Pérsia, o norte da África, todo o mundo antigo está repleto de estátuas do suicida por amor, mandadas erigir pelo inconsolável imperador filósofo.


Leia o artigo completo na edição 192 de Caros Amigos nas bancas ou loja virtual

 

João Pedro Stedile: Quem vai democratizar a mídia?

João Pedro Stedile

QUEM VAI DEMOCRATIZAR A MÍDIA?

A situação e natureza da mídia brasileira são claros. A Constituição brasileira, aprovada em 1988, diz que os serviços de informação para a população brasileira, pela televisão, rádio, revistas e jornais, são de utilidade pública. E por tanto de interesse de toda nação. No caso de jornais, revistas e folhetos, qualquer entidade, sindicato, empresa ou pessoa, tem a liberdade de editar quantos jornais quiser, respeitadas as regras da ética, da verdade, etc e tal. No caso de rádios e televisão, como existem espaços limitados, o estado fará concessões desses espaços, a empresas ou entidades seguindo critérios democráticos, para que os mais amplos setores da sociedade sejam contemplados.

Leia o artigo completo na edição 192 de Caros Amigos nas bancas ou loja virtual

 

Cultura Popular: Túneis rumo à luz

BRASIL POPULAR

CULTURA SOTERRADA ESCAVA TÚNEIS RUMO À LUZ

Por Jô Azevedo

O mineiro Alcides Lima, 65 anos, era funcionário do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo. Tornou-se capoeirista no movimento iniciado pelo reconhecido mestre Eli Pimenta (Academia Cordão de Ouro), pioneiro na introdução da capoeira no meio acadêmico. Para ele, a capoeira não é esporte: é ginga, música, arte, movimento, expressão cultural de resistência das práticas tradicionais e, como tal, instrumento potente de educação para a diversidade e o resgate das tradições africanas.

Por isso, aceitou prontamente o convite da equipe da Escola Municipal de Ensino Fundamental Desembargador Amorim Lima, no Butantã, que em 2000, resolveu alterar o projeto pedagógico da unidade para desenvolver algo parecido com a Escola da Ponte, de Portugal, e incluir a capoeira no currículo. Hoje, essa atividade sob essa visão holística de Mestre Alcides, é elemento curricular, envolvendo cerca de 650 estudantes da escola. Essa visão de capoeira e a experiência não nasceram de um dia para o outro – foram construídas de forma lenta, generosa e paciente, como é a fala mansa e tudo o que Alcides desenvolve no seu trabalho cultural, o que faz dele um autêntico mestre popular da cultura.


Leia o artigo completo na edição 192 de Caros Amigos nas bancas ou loja virtual

 

Gilberto Felisberto: O kinema do paes e dos filhos da telenovela

Gilberto Felisberto Vasconcelos

O KINEMA DO PAES E DOS FILHOS DA TELENOVELA

Glauber Rocha dizia que o cinema era luta de classes, ainda que existam filmes que não tratem diretamente do antagonismo entre capitalistas e trabalhadores assalariados.

O cinema surgiu na fase imperialista do capitalismo e coincidiu com a primeira revolução socialista da história: a Revolução Russa de 1917.

Rio de Janeiro, Hotel Meridien, estréia do filme Amor Bandido de Bruno Barreto, Glauber me convidou para irmos juntos ver o filme, o qual antes de acabar, ele saiu. Depois eu lhe perguntei:

_ Não gostou?

_ O filme é ruim porque considera que a sociedade carioca está estruturada na relação polícia e bandido.

 

Leia o artigo completo na edição 192 de Caros Amigos nas bancas ou loja virtual

Gerson Knispel: Reflexões sobre minha viagem a Israel

ORIENTE MÉDIO

REFLEXÕES SOBRE MINHA VIAGEM A ISRAEL

Por Gershon Knispel

Consegui votar e participei do clima eleitoral no País. Contrariamente à onda pessimista que envolve a maioria da população de Israel, por causa da sensação de que nada mudou e que se terá de enfrentar de novo a paralisação das negociações com os palestinos, eu fiquei otimista! Pois foram desmentidas as próprias pesquisas de boca de urna, que alardearam o avanço da direita mais extremista e não se deram conta de que os 20 por cento de eleitores apontados como indecisos na verdade, na última hora, apoiaram na última hora os partidos de oposição de centro e de esquerda, que exigem o início imediato das negociações com os palestinos em favor de dois Estados para dois povos.

Diante das pesquisas que indicavam o avanço da direita mais extremista, durante a campanha os partidos maiores deixaram de tocar na questão palestina, limitando-se aos assuntos econômicos e à luta por melhora da educação e saúde públicas, bem como dos planos de casas populares. Mas essa tática se revelou equivocada, pois exatamente favoreceu eleitoralmente os setores de esquerda, que além dos partidos árabes foram os únicos que debateram, durante a campanha eleitoral, os temas relacionados com a ocupação.

Leia o artigo completo na edição 192 de Caros Amigos nas bancas ou loja virtual

Sistema Penal: Um mundo sem grades

SISTEMA PENAL

A IDEIA DE UM MUNDO SEM GRADES

Por Gabriela Moncau

O garoto tinha pouco mais de uma década e meia de idade, e esperava na fila para se matricular numa escola pública da zona sul de São Paulo. A matrícula fazia parte da exigência da liberdade assistida de medida socioeducativa que cumpria, agora que finalmente, depois de difíceis 14 meses, saíra da Fundação Casa. Foi então que a avistou. Era ela, não havia dúvida. A professora que inscrevia os jovens era a dona do carro que ele tinha roubado a mão armada tempos atrás. Antes que ela pudesse levantar os olhos do papel, saiu correndo.

O relato quem faz é Andrea Arruda, psicóloga e educadora do Centro de Direitos Humanos e Educação Popular do Campo Limpo (CDHEP). Já foi diretora de escola, trabalhou com adolescentes em conflito com a lei e, na ocasião da história recém iniciada, já estava no CDHEP trabalhando com formação em justiça restaurativa com as técnicas da medida socioeducativa que acompanhavam o adolescente.

“Quando um crime é cometido, nós assumimos que a coisa mais importante que pode acontecer é estabelecer a culpa. Este é o ponto focal de todo o processo criminal: estabelecer quem praticou o crime. Sua preocupação, então, é com o passado, não com o futuro”, caracteriza o estadunidense Howard Zehr, um dos pioneiros da justiça restaurativa, em texto citado pelo sociólogo Marcos Rolim no livro “A síndrome da Rainha Vermelha: policiamento e segurança pública no século XXI” (Zahar). “Outra afirmação que incorporamos é que as pessoas devem ter aquilo que merecem; todos devem receber as consequências de seus atos... e o que merecem é a dor. A lei penal poderia ser mais honestamente chamada de ‘Lei da Dor’ porque, em essência, esse é um sistema que impõe medidas de dor”, define.

Leia a reportagem completa na edição 192 de Caros Amigos nas bancas ou loja virtual

 

 

Frei Betto: Esgarçamento da política

Frei Betto

Quem é direita e esquerda hoje no Brasil? Eis um dilema shakespeariano. A direita, representada pelo DEM, se acerca do PMDB e, na palavra do senador Agripino Maia, propõe “oposição branda” ao governo Dilma Rousseff, que se considera de esquerda.

O PPS do deputado Roberto Freire, versão ao avesso do Partido Comunista, apóia as forças mais retrógradas da República. O PDS de Kassab e o PMDB de Sarney ficam em cima do muro, atentos para o lado em que sopram os ventos do poder.

Como considerar de esquerda quem elege Renan Calheiros presidente do Senado, e Henrique Alves, da Câmara dos Deputados. Você, caro (a) leitor(a), qualifica como de esquerda quem se apóia em Paulo Maluf, Fernando Collor de Melo e Sarney?

Leia o artigo completo na edição 192 de Caros Amigos nas bancas ou loja virtual

 


 

logoPQ ECA

A Revista Caros Amigos é uma publicação mensal da Editora Caros Amigos
Rua Diana, 377 Perdizes São Paulo SP CEP 05019-000
Fone: (11) 3123 6600 • Atendimento ao assinante: 11 3123-6606 - Fax.: 11 3123-6609

TRABALHE CONOSCO


 

Copyright © 2014 Caros Amigos. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por LogoPWP Desenvolvimento de Sites